Terça, 21 de Novembro de 2017

Umidade do ar cai para nível de alerta em MS

10 AGO 2010Por 04h:16
Silvia Tada

Por dois dias consecutivos, a umidade relativa do ar em Campo Grande ficou em 19%, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O índice é considerado “estado de alerta” — o ideal, de acordo com especialistas, é que fique em 60% — e obriga escolas a adotarem medidas para evitar danos à saúde dos alunos. A previsão é de que hoje seja mais um dia seco para os campo-grandenses, temperatura mínima de 15 graus e máxima de 31 graus.
O meteorologista Natálio Abrahão, da Uniderp/Anhanguera, ressaltou que a temperatura, ontem, na Capital, ficou em torno de 33 graus no período da tarde. A região que apresentou menor índice de umidade foi a de Sonora, Pedro Gomes e Coxim, com 16% e temperatura máxima de 36 graus. “Essa combinação é bem preocupante. Tivemos também 18% em Angélica e Ivinhema e 19% em Maracaju, Paranaíba, Sidrolândia e Inocência”, citou.
De acordo com o Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos de Mato Grosso do Sul (Cemtec), massa de ar seco predomina sobre o Estado e a estiagem durará toda a semana. A partir do dia 19, porém, a situação pode mudar com a chegada de frente fria, que pode trazer chuva fraca para as regiões sul e sudoeste do Estado.
Segundo o Inmet, o tempo fica parcialmente nublado a claro com névoa úmida ao amanhecer e a temperatura mínima pode chegar a 9 graus. À tarde, porém, no norte e centro prevalece névoa seca e os termômetros podem chegar a 35 graus.

Escolas
Nas escolas municipais, assim como em anos anteriores, fica recomendado que as atividades físicas entre o fim da manhã e à tarde sejam substituídas por exercícios mais leves. Além disso, as crianças são orientadas a consumir bastante água.
“Conhecemos o clima de Campo Grande e isso acontece todos os anos. Então, todos os diretores são orientados a evitar atividades físicas que provoquem desidratação”, explicou a superintendente de Gestão, Normas e Relações Comunitárias da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Ângela Fachini.
Com o tempo seco e a alta temperatura, fica favorecida a ocorrência de queimadas. No fim da tarde de domingo, no Parque do Sóter, parte da vegetação foi tomada pelo fogo. Foram necessários cerca de mil litros de água para conter as chamas.

Leia Também