Quarta, 22 de Novembro de 2017

ESPERA FRUSTRADA

Umidade despenca para apenas 6%

28 AGO 2010Por 04h:04
Silvia Tada, Redação
SILVIO ANDRADE, CORUMBÁ

A umidade relativa do ar despencou para 6% ontem em Corumbá, cidade localizada a cerca de 350 quilômetros de Campo Grande, conforme divulgado pelo site Clima Tempo, na tarde de ontem. Pelo menos outras quatro cidades, incluindo a Capital, registram índices de emergência de umidade, ou seja abaixo ou igual a 12%. Cidades do norte do Estado já enfrentam 90 dias sem chuvas e em Campo Grande já são 43 dias. A frente fria afastou-se e não há previsão de chuva.  
Em Corumbá, além da baixa umidade, calor e fumaça das queimadas incomodam os moradores. O atendimento de pessoas com problemas respiratórios no pronto-socorro praticamente triplicou.  O aeroporto operou por instrumento durante a semana e pequenas aeronaves não tiveram teto para voar com segurança para o Pantanal.
A umidade de 6%, registrado ontem por volta das 14h, foi a menor do ano e as condições climáticas tendem a permanecer na próxima semana. Apesar do clima seco, as escolas mantêm atividades normais, mas o número de participantes no desfile de 7 de Setembro deve ser reduzido caso os índices continuem críticos. Muitas pessoas aproveitam para se banhar no Rio Paraguai.

Mais cidades
Outros municípios de Mato Grosso do Sul apresentaram índices de umidade relativa do ar de emergência: Água Clara, na região leste do Estado ficou com 10%, enquanto Chapadão do Sul, no Bolsão, e São Gabriel do Oeste, no centro do Estado, tiveram 11%, conforme dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Campo Grande, por sua vez, voltou por registrar 12%, com temperatura máxima de 36,1 graus e mínima de 20,1 graus.
O engenheiro agrônomo Fernando Braz Tangerino Hernandez, da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), especialista em irrigação, destaca que os cuidados com a saúde quando a umidade entra em estado de emergência são os mesmos de quando se chega a menos de 30%. “Deve-se tomar bastante água, evitar exercícios físicos nos horários críticos, umedecer as narinas e olhos com frequência e, nos ambientes fechados, deixar toalha molhada, baldes ou bacias com água para mitigar a sensação de secura”, relatou.
Quem está ao ar livre deve procurar áreas próximas de locais arborizados ou com gramado verde. “Temos um exemplo em nosso campus de Ilha Solteira (SP), que tem toda a área irrigada. Mesmo com os sistemas desligados, a umidade na área era de 30%, enquanto em outros locais da cidade, 12%”, disse o pesquisador. No entanto, ele alerta que os gramados devem estar verdes, quando as plantas fazem a evotranspiração. A permanência nas proximidades de lagoas, por exemplo, é válida caso o vento esteja soprando do lago para a direção da pessoa.

Cartas
O tempo seco provocou mudança na rotina da entrega de cartas, em Campo Grande. De acordo com a assessoria de imprensa dos Correios, desde o início de agosto a chegada no centro de distribuição dos servidores passou a ser às 7h30min (antes era às 8h30min), para que a saída com a carga diária ocorra às 9h30min, uma hora antes do normal. Em Cuiabá (MT), foi adotado plano de contingenciamento e os carteiros saem para as ruas somente após as 15h. “Por enquanto, não houve nenhuma solicitação por parte dos carteiros. À medida que surgir a necessidade, podem ser adotados outros procedimentos”, informou a assessoria da empresa na Capital.

Leia Também