Segunda, 20 de Novembro de 2017

Tumulto no trânsito vai até novembro

11 AGO 2010Por 06h:38
DANIELLA ARRUDA

Tumulto no trânsito das principais vias de Campo Grande — entre elas a Avenida Mato Grosso e Via Parque, que tiveram trecho interditado por causa da abertura de uma cratera e também para a construção de galeria de águas pluviais anteontem à tarde, causando confusão e congestionamento em pleno horário de pico — deve durar pelo menos até novembro deste ano, quando está prevista a conclusão do conjunto de obras emergenciais antienchentes em Campo Grande, informou ontem o secretário municipal de Infraestrutura, Transportes e Habitação, João Antônio De Marco.  
Nesse período, o motorista campo-grandense ainda enfrentará novas interdições e mais dificuldades no trânsito. “Estamos com quatro pontos de obras — a Mato Grosso com a Via Parque, a antiga Furnas e estacionamento do shopping, a Ceará com a Ricardo Brandão e o recapeamento de ruas periféricas. Esse conjunto compõe pacote de obras de emergência financiado pelo governo federal com contrapartida do município. Toda obra tem um prazo que não é o legal, é o da natureza. Essas obras têm que ser realizadas durante a época seca”, explicou.
No entanto, como as obras estão sendo realizadas em locais de grande fluxo de veículos, deverão ocorrer novos estrangulamentos no trânsito, acredita o secretário. “As próximas interdições serão na Rua Paulo Coelho Machado e parte do estacionamento do shopping terá que ser interditado. O acesso ao shopping pela Avenida Afonso Pena também vai passar por interdição. Como são pontos de grande adensamento, vai haver novos problemas no trânsito”, disse.

Caos
No caso do cruzamento da Avenida Mato Grosso com a Via Parque, de acordo com o secretário de infraestrutura, a abertura de um buraco na via ocorreu porque aquela área já estava comprometida. “Com a última enchente, toda aquela parte sofreu danos irreversíveis. A emergência da obra se justifica por causa disso. As intervenções visam consertar o sistema de captação e aumentar a capacidade de vazão das águas das chuvas”, justificou.
Ainda segundo De Marco, todos os trabalhos de interdição de vias estão sendo feitos em conjunto com a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran). No caso das obras que estão sendo realizadas nas imediações da Avenida Mato Grosso com a Via Parque, por exemplo, houve a montagem de um esquema alternativo para o motorista, com instalação de semáforo no cruzamento da Rua Antônio Maria Coelho com a Via Parque.
No entanto, motoristas enfrentaram ontem, pelo segundo dia consecutivo, trânsito confuso e longo congestionamento próximo ao trecho interditado. Houve formação de fila de veículos nos dois sentidos, da rotatória de acesso ao Carandá Bosque até a lombada eletrônica instalada na Mato Grosso, após a Via Parque.
O trânsito também ficou lento próximo ao cruzamento da Rua Antônio Maria Coelho com a Via Parque, que agora está semaforizado. Com a mudança, quem trafega pela Mato Grosso no sentido Parque dos Poderes–centro tem que contornar o canteiro após a rotatória, retornar pela mesma avenida e aguardar pela abertura do semáforo para então entrar à direita, na Via Parque.
Apesar do horário de pico, ontem cedo apenas um policial de trânsito permanecia no local. O Correio do Estado procurou o diretor-presidente da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), Rudel Trindade, para verificar se haverá ampliação da fiscalização no local, porém não recebeu retorno.

Leia Também