Sábado, 18 de Novembro de 2017

Tributos elevam em 19% preço da cesta básica

25 MAI 2010Por 07h:36
Apesar de mais baixos do que em outros produtos, impostos sobre alimentos tornam a conta do supermercado ainda mais cara. Ao comprar margarina, por exemplo, o consumidor paga 35% em tributos; no açúcar cristal, a média de impostos é de 32%, segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário.
Os dez principais itens da cesta básica individual, estabelecida pela Prefeitura de Campo Grande, custariam 19% a menos sem as taxas.
Na ponta do lápis, sem a mordida do governo, o valor da margarina cairia de R$ 2,89 para R$ 1,87; açúcar teria redução de R$ 3,19 para 2,16; e óleo de soja custaria R$ 1,46, e não R$ 1,98. (Veja mais produtos no box)
Na última semana, a Federação da Indústria de São Paulo pediu ao governo do estado que isente alimentos de alguns impostos para beneficiar empresas e consumidores.
O tributo que mais pesa sobre eles é o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS). Ele também é a principal fonte de arrecadação do Governo de Mato Grosso do Sul e outros estados.
O imposto é pago pelo empresário quando o produto entra no Estado, e repassado ao consumidor no preço final — é a conhecida tributação indireta. De acordo com a consultoria europeia KPMG, essa forma de tributação correspondeu a 48% do que governos arrecadaram no Brasil em 2008 (R$ 500 bilhões). (CHB)

Leia Também