Terça, 21 de Novembro de 2017

Saveiro com ar aventureiro

26 FEV 2010Por 06h:16
Há tempos a Volkswagen estava incomodada com a participação tímida da sua picapinha Saveiro e o crescimento contínuo da rival Fiat Strada. Os motivos eram óbvios: constantes investimentos em uma e atraso na outra. Isso durou até a chegada da nova versão da Saveiro, em agosto do ano passado. Primeiro, a Volks lançou cabine estendida, algo que apenas a rival da Fiat possuía até então. Depois colocou no mercado a versão cabine simples com preços mais atraentes. Agora, com a nova derivação Cross, é a vez de a picape da marca atacar de frente a Strada Adventure. Afinal, a versão pseudooff- road da Fiat, além de emprestar a imagem de robustez, responde por 35% das vendas da linha. Ou seja, a Volks está de olho numa fatia generosa do mercado, que soma, só às vendagens da Strada, mais de 3 mil unidades mensais. O caminho ainda é longo. Mas já foi pior. A Saveiro registrava médias de 2 mil unidades mensais até o lançamento da segunda geração. Era, até então, a mais antiga do segmento ao lado da Ford Courier e estava em terceiro no ranking, atrás da Chevrolet Montana. Em janeiro deste ano, as vendas chegaram a 3.380 unidades e o modelo ultrapassou a picape da Chevrolet. Por pouco, é verdade: apenas 40 unidades a mais. Com a nova versão, porém, a sua meta de atingir de 5 mil unidades mensais, anunciada no lançamento da nova geração, fica mais próxima da realidade. Pseudo off-road Para tal, a Volks segue a receita dos off-road lights de plantão. E tenta criar uma identidade própria para a linha Cross, que até então só existia com o CrossFox – resposta tardia à linha Adventure da Fiat. A Saveiro Cross usa apliques estéticos que evocam uma alma lameira e incorpora um conjunto ótico que remete ao próprio CrossFox. Na frente, grade diferenciada e para-choques na cor preta mais encorpados. O conjunto ótico, no geral, também acompanha a versão aventureira do Fox. Lentes escurecidas nos faróis principais, enquanto os faróis auxiliares – que reúnem o de neblina e o de milha – aparecem embutidos no spoiler. Na lógica da robustez visual, a picape ainda conta com molduras das caixas de roda também na cor preta e um friso na parte inferior das portas – também em preto – com o nome da versão escavado no plástico. Na configuração, o rack no teto se prolonga até a caçamba na forma de barras paralelas e fazendo as honras de santantônio. Os pneus Pirelli Scorpion são de uso misto que calçam rodas de liga leve aro 15. Na traseira, mais molduras na cor preta, lanternas escurecidas e o nome da configuração mais uma vez, só que desta vez pintado na lataria em itálico. Por dentro, a Volks lançou mão de um acabamento com o painel em Suspensão elevada em 3 cm, detalhes em preto na lateral e parachoque dão o toque lameiro à nova Saveiro Cross FERNANDO MIRAGAYA/CARTA Z NOTÍCIAS Capota marítima e protetor lateral realçam a traseira. Na tampa, o nome estampado Acabamento em dois tons e manopla do câmbio é personalizada. O motor é o 1.6 dois tons. Os anéis das saídas de ar são em preto brilhante e o pomo da manopla do câmbio recebeu a inscrição “Cross”. Há detalhes cromados nas molduras dos mostradores do quadro de instrumentos, na própria manopla da transmissão, botões do comando de ventilação e maçanetas internas das portas. O padrão de tecido dos bancos também é novo e segue a tecnologia Embossed, que simula as marcas deixadas por pneus na areia. Na parte estrutural, a Saveiro Cross segue a receita de sua principal rival: suspensão elevada em quase 3 cm, além dos pneus uso misto. O modelo da Volks será comercializado apenas na configuração cabine estendida e o motor é o conhecido 1.6 VHT de 101/104 cv de potência. Na lista de equipamentos, contudo, a Saveiro Cross tenta se diferenciar da concorrente. Sai de fábrica com direção hidráulica, trio elétrico lanterna de neblina, capota marítima, tampa da caçamba com chave, volante e banco do motorista com ajustes de altura e de profundidade, para-sóis com espelhos iluminados e alarme na chave do tipo canivete. Entre as bossas, sensor de obstáculos traseiro e repetidores dos piscas nas carcaças dos retrovisores, itens que sua rival não possui. Com isso, a Cross evidencia seu custo/ benefício mais atraente. Parte dos R$ 41.840 e com ar-condicionado chega a R$ 44.684. A Strada Aventure começa em R$ 46.020 já com ar, mas ao receber capota marítima e retrovisores elétricos alcança os R$ 48.440. Com todos os opcionais, porém, que incluem o air bag duplo, freios com ABS, rádio/CD/MP3 com entradas USB, SD Card e Bluetooth e volante multifuncional, a Saveiro Cross chega a R$ 47.937. Ainda permanece bastante competitiva. E é desta forma que a Saveiro quer abalar a liderança da Fiat.

Leia Também