Quarta, 22 de Novembro de 2017

Respiração correta melhora a vida

7 AGO 2010Por 06h:10
Thiago Andrade

Respirar é um ato que se repete incontáveis vezes durante o dia. Por ser tão frequente, dificilmente presta-se atenção nesta atividade essencial para a vida. Praticamente todos as células e órgãos do corpo humano precisam do oxigênio obtido por meio da inalação do ar que nos rodeia. Logo, como algo importante assim costuma ser tão negligenciado? A Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta para o fato de que 70% da população mundial respira de maneira errada, geralmente inalando o ar pela cavidade oral.
Pensando nisso, a Academia Brasileira de Rinologia lançou no final de junho a campanha “Respire pelo nariz e viva melhor”, com o objetivo de conscientizar a população brasileira de que inspirar e expirar o ar de maneira correta produz numerosos benefícios e melhora consideravelmente a qualidade de vida. Como aponta o médico otorrinolaringologista Alexandre de Souza Cury, quando não respiramos pelo nariz, o corpo procura formas de aprimorar as estruturas para que o ar passe com maior facilidade. “Daí surgem as alterações na arcada dentária, por exemplo, que aparecem para facilitar a entrada de ar por aquele orifício”, explica.
Um adulto inspira e expira o ar, em média, 15 vezes por minuto. Desde o nascimento, o movimento de encher e esvaziar os pulmões não cessa, entretanto, são poucos os que reparam na ação e é fácil repeti-lo de maneira incorreta, ou seja, respirar pela boca, não preencher suficientemente os pulmões e inspirar e expirar muito rapidamente. De acordo com Alexandre, estes são apenas alguns motivos para a má respiração.
“Existem pessoas que não respiram pelo nariz por costume e aquelas que têm algum problema na estrutura nasal. Rinites, desvio de septo nasal, crescimento anormal das adenóides ou das amígdalas são algumas das disfunções que causam problemas para a respiração. Entretanto, a lista é infindável, podendo haver causas hormonais, inflamatórias, alérgicas, fisiológicas ou patológicas, na qual pode-se incluir o câncer, por exemplo. Isso varia de acordo com a faixa etária do indivíduo”, detalha Alexandre.
Segundo o otorrinolaringologista, o mais importante é prestar atenção nos sintomas. “Geralmente, o paciente tem ideia do que é que lhe causa problemas ao respirar. A principal causa de respiração oral é a sensação de nariz entupido, contudo, ela é apenas um sintoma de que existe algo errado. É importante que se busque um profissional, que aplicará em primeiro lugar um exame da cavidade nasal, atualmente feitos por meio de videoendoscopia nasal”, expõe.
Respirar pela boca prejudica não apenas o sistema respiratório, mas também toda a estrutura óssea facial, inclusive os dentes. Com a respiração oral, problemas como ronco, apneia do sono, alterações de paladar, olfato, mastigação, voz, postura corporal, menor rendimento físico, inflamações no ouvido e garganta, entre outros sintomas, tornam-se mais suscetíveis. “De certa forma, acaba-se criando um quadro evolutivo, pois o paciente que respira pela boca pode desenvolver uma apneia, que gera problemas cardiovasculares. A gravidade é crescente, por mais que não se perceba”, alerta Alexandre.

Leia Também