Sexta, 24 de Novembro de 2017

Quatro detentos fazem teste de tornozeleira

27 AGO 2010Por 18h:38
DANIELLA ARRUDA

Quatro detentos do regime semiaberto, em Campo Grande, estão testando modelo de tornozeleira eletrônica. Trata-se de aparelho de alta tecnologia, dotado de GPS  e sistema de áudio e de valor igualmente “de ponta” – cada unidade custa R$ 800, segundo informação repassada pelo secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini.
O secretário reconhece ser esse um custo impraticável para o Estado hoje e informou que num segundo momento haverá negociação em torno do preço do equipamento. “Nós teremos que fazer um orçamento e apresentar para o governador. Se ele aprovar, então abre-se a licitação, que tem um prazo aproximado de seis meses para ser concluída”, explicou.
Além de Mato Grosso do Sul, segundo o secretário, outros seis estados do País também estão testando vários modelos de tornozeleiras eletrônicas, para serem utilizadas em presos dos regimes aberto e semiaberto. O preço inicial de modelos mais simples gira em torno de R$ 200,00, quatro vezes menor que o modelo mais sofisticado do mercado, que atualmente está em teste no Estado.
“Nós estamos vendo se esse modelo é tão bom quanto dizem. O modelo que estamos testando tem GPS e microfone; a central fala com o preso se ele estiver fora da área em que ele tem que estar. Por meio do equipamento, ele avisa o preso e pergunta o que ele está fazendo, se perdeu o ônibus, ou tem alguma outra explicação”, explicou.

Leia Também