Sexta, 24 de Novembro de 2017

PSDB quer trazer Serra para oficializar aliança com André

14 ABR 2010Por 23h:37
lidiane kober

O PSDB quer trazer José Serra a Mato Grosso do Sul para oficializar a aliança com o governador André Puccinelli (PMDB) nas eleições de outubro. O partido dá como praticamente certa a continuidade do casamento com o PMDB e aguarda o anúncio oficial para depois do dia 15. No máximo na primeira quinzena de maio, os tucanos planejam promover grande festa em Campo Grande, reunindo Puccinelli e Serra.

Conforme a senadora Marisa Serrano (PSDB), em conversa há 20 dias em São Paulo, o governador se comprometeu a revelar a Serra seu rumo na sucessão presidencial logo depois do dia 15 de abril. Na data, termina o prazo de Puccinelli dado para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tentar convencer o ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) a abandonar o projeto de enfrentá-lo na disputa pelo Governo do Estado. Essa seria a única maneira de o PMDB apoiar a candidatura da ex-ministra Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República.

“Como o José Orcírio não deve desistir, 99% são as chances deste casamento (com o PT) não dar certo”, declarou recentemente Puccinelli, evidenciando a continuidade da aliança com o PSDB. Também demonstra sua intenção de manter o casamento com os tucanos a vaga de candidato ao Senado, que reservou ao vice-governador Murilo Zauith, do DEM, integrante do Bloco Democrático Reformista (BDR), liderado pelo PSDB.

Anteontem, em São Paulo, Marisa esteve reunida com integrantes da equipe de campanha de José Serra. Por telefone, ela reiterou o esforço em unir Puccinelli e o pré-candidato tucano a presidente da República. “Até o final do mês os dois vão se encontrar para definir os últimos pontos da aliança”, contou. “Estou muito confiante na continuidade desta parceria (do PMDB com o PSDB)”, completou.

Depois de fechada a coligação, os tucanos querem trazer Serra a Mato Grosso do Sul. “Em abril ou no começo de maio, pretendemos fazer uma grande festa para oficializar a aliança do PMDB com o PSDB”, disse o presidente regional do partido, deputado estadual Reinaldo Azambuja (PSDB).

Em pré-campanha
Enquanto isso, ontem esquentou o debate político de tucanos com petistas na Assembleia Legislativa. O deputado professor Rinaldo Modesto (PSDB) subiu à tribuna para relatar detalhes da festa de lançamento da pré-candidatura de Serra a presidente e afirmou estar “colhendo os frutos do que foi plantado” na gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Ele evidenciou a Lei de Responsabilidade Fiscal, criada na gestão do tucano e o Plano Real, lançado em 1994, na gestão de FHC no Ministério da Fazenda, no governo de Itamar Franco. “Se o brasileiro come melhor agora, é por conta destas mudanças”, declarou.

Em resposta, ganhou críticas do deputado estadual Pedro Kemp (PT): “O PSDB passou sete anos e meio tentando desqualificar o PT e agora que o presidente Lula tem 80% de aprovação, resolveram adotar o discurso de continuar e fazer melhor”. “Somos diferentes do PSDB porque não defendemos o projeto neoliberal, não sucateamos os serviços públicos e nem deixamos universidades sem professores”, completou.

Leia Também