Quinta, 23 de Novembro de 2017

Propriedades e efeitos colaterais

9 MAR 2010Por 07h:58
Criada como antidepressivo nos anos 80, a sibutramina começou a ser receitada como coadjuvante em terapias de emagrecimento em 1997 após o aval do FDA, nos Estados Unidos. A droga comercializada com os nomes de Reductil e Meridia age no sistema nervoso central, estimulando a sensação de saciedade e fazendo a pessoa sentir vontade de comer menos. Os especialistas explicam que o medicamento à base de sibutramina promove a sensação de plenitude gástrica, ou seja, com pouca ingestão de comida a pessoa fica saciada. Ela não perde o apetite, apenas fica satisfeita mais rapidamente. O público-alvo da sibutramina, segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, são pessoas com obesidade mórbida ou Índice de Massa Corporal igual ou superior a 30 kg/m² e que não conseguem emagrecer apenas com planos alimentares e atividades físicas, desde que não apresentem predisposição a doenças cardiovasculares. Como qualquer medicamento que necessite de recomendação médica e retenção de receita para a venda, a sibutramina precisa ser usada com muito critério, pois seus efeitos colaterais são numerosos. Entre eles: dores de cabeça, tonturas, sonolência, dores nas articulações e nos músculos, náusea, boca seca, irritação no estômago, constipação (intestino preso), dores menstruais e elevação da pressão sanguínea. Em alguns pacientes, porém, os efeitos podem ser bem mais graves: ataque apoplético (coágulo ou hemorragia nos vasos sanguíneos), arritmia cardíaca, dores no peito, problemas para urinar, alterações mentais e de humor, parestesia (sensações como frio, calor e formigamento na pele), alterações na visão, edemas (inchaços), falta de ar e hemiplegia (paralisia de um dos lados do corpo), entre outros. Se um deles aparecer, é preciso procurar atendimento médico imediatamente. Como atua sobre o sistema nervoso central, a sibutramina pode provocar transtornos psíquicos em quem tenha predisposição a eles ou agravar um quadro já existente. Pessoas obesas que sofrem com problemas mentais ou bipolaridade, por exemplo, não podem usar o medicamento, pois ele pode resultar em desestabilização do humor. Apesar dos efeitos colaterais, o uso cauteloso do medicamento é defendido pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. É afirmado por alguns especialistas que a sibutramina é comercializada há mais de dez anos e que não há evidências de que sua prescrição criteriosa, apenas para pacientes sem contraindicações formais, ocasione o aumento de eventos cardiovasculares. Como a obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública é necessário lançar mão de todos os recursos terapêuticos seguros e consagrados por pesquisas científicas com o objetivo de combatê-la. Segundo eles, os pacientes que participaram do estudo europeu já tinham predisposição a doenças cardiovasculares e, portanto, não seriam normalmente indicados para o tratamento com a sibutramina. É ainda informado que é possível que a sibutramina cause problemas cardiovasculares até em quem não apresenta predisposição para eles. A substância também pode causar alterações nesses pacientes pois aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial sistêmica. Ainda assim, é ressaltado que é preciso esperar novos estudos. Existem estudos americanos em andamento que divergem do europeu, mas a cautela é não indicar a sibutramina em pacientes com risco coronariano ou hipertensão arterial não controlada. Os pacientes precisam ser alertados sobre estes problemas até que haja uma definição da Anvisa ou do FDA americano.

Leia Também