Quinta, 23 de Novembro de 2017

Prioridade do PT é Dilma

26 ABR 2010Por 22h:09
Fernanda Brigatti

Em prol da eleição da ex-ministra Dilma Rousseff, o PT deve sacrificar algumas candidaturas e priorizar alianças nos estados. Na avaliação do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o partido deve ter candidaturas próprias em dez estados, podendo chegar a 12. “Está bom demais. A gente tem que olhar o Brasil. É natural que tenha menos candidaturas, porque nossa maior prioridade é eleger a Dilma e dar continuidade ao projeto”, disse José Dirceu, durante palestra organizada pela Juventude do PT em Mato Grosso do Sul.
Tratando de formação política, o ex-ministro ressaltou a importância de ter um petista sucedendo o presidente Lula e, ainda, ter a maioria na Câmara dos Deputados e no Senado. Dirceu também relatou aos jovens petistas alguns dos argumentos a serem usados na campanha, como dados sobre a “revolução social promovida pelo presidente Lula“.
Diante de uma plateia formada por jovens e estudantes, o ex-ministro da Casa Civil ainda conclamou a juventude a entrar em contato com as bases e levar às ruas as informações sobre como a administração petista modificou o País. Citando números e dados, Dirceu ressaltou que a “eleição não está ganha. Vai ser ganha nas ruas“.
Para a disputa nacional, ele destacou que a candidatura do ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB), não pode ser subestimada, assim como a aliança formada por DEM e PPS. Sobre o deputado federal Ciro Gomes (PSB), Dirceu tergiversou. Disse que não falaria sobre o assunto. Ciro, que tentava emplacar sua candidatura à Presidência pelo PSB, disse, em entrevista ao Jornal do SBT que ter Dirceu no comando da campanha de Dilma era um desacato à opinião pública. Sobre a afirmação, Dirceu foi lacônico: “Não devo explicações a quem faz afirmações infundadas“, disse.

Leia Também