Sexta, 24 de Novembro de 2017

Preços baixos fazem cair a renda do produtor

2 AGO 2010Por 06h:56
Estudos da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) indicam que os agricultores perderam renda por causa dos baixos preços praticados no mercado. Balanço da entidade mostra que os custos com depreciação e capital investido na atividade ficaram acima da receita obtida. A colheita de 146 milhões de toneladas de grãos na safra atual, 2009/10, não favoreceu os produtores rurais, pois os preços caíram 13,26% em relação ao ano passado.
A expectativa é que esse prejuízo possa ser compensado na próxima safra com a redução dos custos de produção. Para a safra 2010/11 de soja, que começa a ser cultivada em meados de setembro, no Centro-Oeste, estima-se uma queda de 10% a 15% nos gastos com insumos. A queda nos preços dos fertilizantes é um dos fatores que justificam a previsão de recuo, explica a presidente da CNA, senadora Kátia Abreu.
Os produtores do Paraná devem gastar, em média, R$ 1.100,00 para cultivar um hectare com sementes de soja convencional na safra 2010/11. O estudo elaborado pela área técnica da CNA revela que as lavouras de soja podem garantir margem operacional (lucro considerado após descontar o custo da receita) melhor em relação ao milho de verão na próxima safra no Sul do País.
A previsão mostra que poderá haver recuperação da rentabilidade da soja. “Em comparação com o milho de verão, a soja continua como melhor alternativa. É esperada uma redução na área de milho de verão e consequente aumento na área de soja na região Sul”, explica a senadora.
O quadro é favorável ao plantio de soja também no Centro-Oeste. Na região, predominará a soja na safra de verão, combinada com o crescimento da área plantada com algodão, reflexo da valorização das cotações da pluma no mercado internacional. Na avaliação da CNA, a tendência é que os produtores optem pelo milho só na segunda safra, a safrinha, em 2011. “A decisão de plantio da safrinha será tomada no final de 2010”, lembrou.
A presidente da CNA também fez um balanço da safra 2009/10 de soja. A produção somou 68,71 milhões de toneladas, crescimento de 20% em relação à safra anterior. Os Estados do Paraná e do Mato Grosso produziram, juntos, 33 milhões de toneladas de soja, o que representa 48% da produção total. “As ótimas produtividades, principalmente no sul do País, obtidas em função do uso intensivo de tecnologia, da influência positiva do clima e o aumento da área plantada em 7,4% garantiram o excepcional resultado”, avalia a senadora.
Em termos de preço, a média anual nominal foi de R$ 40,87 por saca de 60 quilos, 13,74% inferior ao valor da safra 2008/09. Os valores são para soja em grão a granel, tipo exportação, no Paraná, segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). O balanço revela que, ao longo da safra 2009/10, exceto no período de julho de 2009 a outubro de 2009, os preços médios caíram fortemente, chegando ao valor de R$ 33,13 por saca de soja.
Os técnicos da CNA avaliaram ainda a relação entre oferta e demanda e constataram recuperação dos estoques finais em 2009/10. “Na safra passada, o forte desempenho das exportações e o alto consumo interno reduziram significativamente os estoques do grão”, explicou a senadora.

Leia Também