Quinta, 23 de Novembro de 2017

Polícia prende criminoso que matou por uma dívida de R$ 100

7 ABR 2010Por 23h:44
Michelle Rossi

A 7ª Delegacia de Polícia  elucidou a autoria do homicídio de Wellington Ferreira, 25 anos,  ocorrido no último dia 25 de janeiro, na Vila Popular, em Campo Grande. O jovem foi morto por uma dívida de R$ 100 e por ter mantido um caso extraconjugal com a mulher de seu assassino confesso, Júlio César de Souza Borges, 27 anos, preso na segunda-feira. O revólver Taurus de calibre 32, usado no crime, foi apreendido.

Júlio foi preso na Vila Popular, depois de uma discussão com a ex-mulher, quando a Polícia Militar foi acionada. Evadido da Colônia Penal, o autor disse em depoimento que a vítima manteve um caso com sua mulher, durante o tempo em que ele esteve preso no Estabelecimento Penal de Segurança Máxima, onde cumpria pena por tráfico de drogas. A traição foi descoberta no ano passado, quando Júlio saiu da prisão de regime fechado e passou para o semiaberto. 

Outro motivo para o crime, relatado em depoimento, foi uma dívida da vítima com o autor, no valor de R$ 100, correspondente à compra de maconha. “Ele disse que estava com muito ódio do Wellington por conta da ex-mulher e porque a vítima pedia drogas e não pagava por isso”, relatou o delegado da 7ª DP, Natanael Costa Balduíno.  

Crime
Para matar a vítima, o criminoso armou uma cilada. Convidou Wellington para um serviço e foi buscá-lo em casa, de moto. Dirigiu-se então para a estrada que dá acesso à Pedreira São Luiz, parou e fingiu atender o celular, quando sacou a arma e atirou à queima-roupa contra Wellington – tendo um dos disparos atingido seu coração.

O autor então voltou para a residência e mandou a mulher embora (o casal não tem filhos). Na última segunda-feira, a mulher tentou voltar para a casa do ex, mas foi impedida por ele. Diante das discussões dos dois, a polícia foi acionada, identificando o suspeito, que continuava a morar na região onde o crime foi praticado.

Além de tráfico de drogas, o homicida ainda tem ficha criminal onde constam porte ilegal de arma e lesão corporal dolosa. Júlio será indiciado por homicídio doloso e deve voltar ao Estabelecimento Penal de Segurança Máxima.

Leia Também