Quinta, 23 de Novembro de 2017

Polícia acha vestígios de sangue em carro e roupas de goleiro

30 JUN 2010Por 07h:47
BELO HORIZONTE

A Polícia Civil de Contagem (região metropolitana de Minas Gerais) informou ontem ter encontrado vestígios de sangue em uma Land Rover pertencente ao goleiro Bruno, do Flamengo. Ele é investigado pelo desaparecimento da ex-namorada, a estudante Eliza Silva Samudio, com quem tem um filho de quatro meses.
A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que vestígios de sangue também foram encontrados em roupas apreendidas no sítio do jogador, onde buscas foram realizadas durante quase nove horas de segunda-feira, em um condomínio fechado no município de Esmeraldas (MG).
Os investigadores utilizaram o luminol, substância que reage com sangue produzindo uma luz azul. Apenas o exame de DNA dirá se o sangue pertence à ex-namorada de Bruno.
Segundo a polícia, um segurança do goleiro, Clayton da Silva Gonçalves, 22 anos, foi ouvido na Delegacia de Homicídios de Contagem durante toda a manhã e início da tarde de ontem. Ele dirigia a Land Rover quando o veículo foi apreendido, no dia 8 deste mês, em uma blitz, com o documento vencido e multas por excesso de velocidade.
O advogado do jovem chegou à delegacia por volta das 14h30min e, cerca de meia hora depois, saiu com seu cliente dizendo apenas que Clayton veio prestar esclarecimentos sobre a situação do carro.

Entenda o caso
A polícia investiga o desaparecimento da estudante Eliza Silva Samudio, 25 anos, ex-namorada do jogador e com quem ele teria tido um filho, hoje com quatro meses. A família afirma não ter contato com Eliza desde o início do mês, quando ela foi convidada pelo goleiro para morar com a criança no sítio do jogador. No fim da semana passada, a Polícia Civil de Minas Gerais recebeu denúncia anônima dizendo que Eliza teria sido “espancada até a morte” no sítio.
Eliza queria provar a paternidade da criança. A mulher atual de Bruno, Dayanne de Souza, teria tentado esconder o bebê com um amigo do goleiro, identificado como “Coxinha”. Outro, de apelido “Macarrão”, teria levado a criança do RJ, onde vivia com a mãe, para Minas. Dayanne foi autuada em flagrante por subtração de incapaz.
A criança foi encontrada com conhecidos de Bruno, em uma favela de Contagem, e foi entregue no domingo passado ao avô materno, Luís Carlos Samudio, 43 anos, que ficará com a criança em Foz do Iguaçu (PR), onde mora. A paternidade é alvo de ação na Justiça do Rio de Janeiro.
Dayanne foi liberada no sábado, por não ter antecedentes criminais e possuir residência fixa. Ela disse à polícia que a criança foi abandonada pela mãe, por isso foi trazida por Macarrão.

Leia Também