Sábado, 25 de Novembro de 2017

PM mata homem acusado de encomendar morte de cabo

18 AGO 2010Por 07h:48
Três Lagoas

Ademar Marques Orgeda, conhecido como “Ademarzinho”, suspeito de ser o mandante do assassinato do cabo da Rondas Ostensivas Táticas do Interior (Rotai), unidade da Polícia Militar, Edu Weslei Inácio de Almeida, no último sábado à tarde, em Três Lagoas, foi morto ontem. Ele morreu durante confronto com uma equipe da Polícia Militar. Lucas Aurélio de Araújo, apontado como responsável pelos disparos que causaram a morte do policial, já havia sido morto ao resistir à prisão, momentos depois de cometer o assassinato, em um bar situado no Bairro Parque São Carlos, periferia da cidade.
De acordo com as informações, o cerco ao acusado começou logo após as primeiras diligências realizadas pelos policiais. No sábado, uma testemunha teria afirmado que Ademarzinho cedeu a arma usada por Lucas Aurélio e ainda teria proposto pagar R$ 100 para a execução do cabo Edu Weslei.
O motivo para encomenda do homicídio, na versão da testemunha, é que Ademarzinho teria ainda praticado um roubo a um supermercado, na semana passada. Ele já havia cumprido pena no Presídio de Segurança Média de Três Lagoas e consta que teria cerca de 20 anos de condenação, cumprindo, atualmente, em regime semiaberto.
Ainda segundo a polícia, Ademarzinho foi localizado em uma casa no mesmo bairro em que o cabo Edu Weslei foi morto. De acordo com informações preliminares, os policiais do mesmo pelotão, a Rotai, deram voz de prisão, mas ele resistiu e trocou tiros.
Na reação policial, o acusado acabou sendo atingido. Ele foi socorrido no Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, mas não resistiu aos ferimentos e morreu logo em seguida. A Polícia Civil informou ter aberto inquérito para apurar o caso.

Leia Também