Segunda, 20 de Novembro de 2017

PF prende 20 em 9 estados em operação contra pedofilia

28 JUL 2010Por 05h:47
Brasília

A operação da PF (Polícia Federal) contra a exploração, abuso sexual e pedofilia na internet – realizada em nove estados – já prendeu 20 pessoas em flagrante. Segundo a polícia, o balanço é parcial e o número de prisões pode aumentar. Ao todo, mais de 400 policiais federais participam da operação para cumprir 81 mandados de busca e apreensão.
Dos 20 presos – entre eles um adolescente e idosos –, 13 são do Estado de São Paulo, dois do Paraná, um do Rio, dois do Distrito Federal, um de Alagoas e um de Goiás. Segundo a PF, a operação chamada Tapete Persa bateu o recorde em número de prisões em casos de pedofilia. No ano passado, a operação chamada Turco prendeu 11 pessoas e, em 2008, a operação Carrossel teve cinco prisões.
Estão sendo cumpridos 81 mandados de busca e apreensão nos estados de Alagoas, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, além do Distrito Federal.
Um dos delegados que participam da ação, Marcelo Bórsio, afirmou que a PF identificou que muitas das pessoas que possuem material pornográfico nos computadores e divulgam na internet são as também as pessoas que cometem abuso sexual de crianças.
Segundo a PF, na casa das pessoas presas foram encontrados fotos e vídeos com materiais pornográficos. E muitas dessas fotos eram dos próprios criminosos abusando de crianças.
De acordo com a Polícia Federal, o Brasil está em quarto lugar no ranking mundial da Interpol de países que divulgam pedofilia, atrás de Alemanha, Espanha e Inglaterra.
Investigação
A operação tem o apoio da Interpol e da polícia alemã, que identificou, no final de 2008, milhares de usuários brasileiros que estariam distribuindo, compartilhando e divulgando material pornográfico na internet.
Esses usuários brasileiros foram identificados após a polícia alemã realizar monitoramento de redes na internet. Após ser comunicada, a Polícia Federal brasileira iniciou investigações no primeiro semestre de 2009. Com autorização judicial, a PF encaminhou para suas unidades descentralizadas os endereços dos suspeitos obtidos junto aos provedores de internet.
A PF informou que as prisões em flagrante só foram possíveis depois que, em novembro de 2008, o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) foi alterado possibilitando esse tipo de detenção para quem fosse encontrado com material pornográfico nos computadores.
Somadas as penas, os criminosos poderão, se condenados, permanecer por mais de 15 anos presos.

Leia Também