Sexta, 24 de Novembro de 2017

OPERAÇÃO URAGANO

PF indicia 60 pessoas suspeitas de corrupção

10 SET 2010Por 07h:51
Fábio Dorta, de Dourados

O inquérito da Operação Uragano da Polícia Federal terminou com 60 pessoas indiciadas. A informação foi dada ontem à tarde pelo promotor de Justiça do Patrimônio Público, Paulo Cesar Zeni, em entrevista coletiva no auditório do Ministério Público Estadual (MPE) em Dourados.
Entre os indiciados no inquérito presidido pelo delegado da Polícia Federal Bráulio César Galloni está o prefeito Ari Artuzi (PDT), além da mulher dele, Maria Freitas Artuzi, que era coordenadora de políticas públicas para mulheres, o vice-prefeito Carlinhos Cantor (PR), 11 vereadores, nove secretários ou ex-secretários municipais.
Conforme Zeni, que não divulgou a relação dos nomes, também constam da lista mais de 20 empresários acusados de participarem de licitações fraudulentas e de pagarem propina ao prefeito, nove servidores públicos municipais, quatro assessores de vereadores, dois beneficiários diretos do esquema e ainda dois mensageiros (responsáveis por transportar o dinheiro da propina).
Segundo o promotor, as investigações da Polícia Federal resultaram em um inquérito com nove volumes, somando 2.389 páginas. “Somente o relatório do delegado tem 300 páginas. Além das imagens, existem também provas documentais contra os acusados”, afirmou Zeni.

Afastamento
O promotor informou que pediu à Justiça o afastamento por tempo indeterminado de 24 pessoas, entre elas o prefeito e os nove vereadores presos na Operação Uragano. De acordo com Zeni, o pedido deverá ser julgado nos próximos dias pelo juiz Carlos Alberto de Resende, da 4ª Vara Cível.
O requerimento foi feito por meio de uma medida cautelar. De acordo com Zeni, é imprescindível o afastamento dos acusados para não atrapalhar o andamento das investigações. Também assinaram o pedido os promotores Claudia Loureiro Ocariz Almirão e Amílcar Araújo Carneiro Júnior.

Leia Também