Segunda, 20 de Novembro de 2017

Peugeot entra no mercado de picapes

30 ABR 2010Por 03h:42
Thiago Andrade, Florianópolis (SC)

O lançamento do Peugeot Hoggar, primeira picape produzida pela empresa no Brasil, representa a abertura de um momento estratégico para a marca. Embora não seja a primeira picape da marca a ser vendida no País – nos anos 90, a média 504 foi importada da Argentina –, a Hoggar marca a entrada da Peugeot no segmento mais dinâmico dos utilitários e que representa as maiores vendas. A liderança das picapes compactas está há mais de uma década com a Fiat Strada, seguida por Volkswagen Saveiro, Chevrolet Montana e a veteraníssima Ford Courier. Ou seja, a marca francesa – uma das pioneiras entre os “newcommers” a desembarcar no Brasil, há quase 20 anos – vai “comprar briga” exatamente contra as chamadas “quatro grandes”, as marcas estabelecidas há mais tempo no mercado nacional.
Com previsão de chegada às concessionárias em 15 de maio, a picape Hoggar foi totalmente desenvolvida por uma equipe brasileira e, como explicou o presidente da Peugeot do Brasil, Gillaume Couzy, na apresentação da picape a jornalistas, em Florianópolis, tem objetivo de atender as necessidades do público nacional. A ideia – que não chega a ser tão original, em se tratando de uma picape – é que a Hoggar conciliasse a dirigibilidade de um carro de passeio com a robustez de um utilitário. E a solução adotada foi a utilização de uma plataforma híbrida. A parte dianteira do Peugeot 207 nacional – produzido sobre a mesma plataforma do 206 – foi unida à parte traseira da plataforma do utilitário Partner – que terá sua nova geração importada da Argentina e vendida por aqui ainda esse ano, nas versões passageiros e carga. A presença do conjunto da suspensão traseira herdado da Partner ajuda a explicar a ótima capacidade de carga da Hoggar, 724 quilos. Como resultado da “fusão”, a picape recebeu a maior plataforma da linha 207, com 4,53 m. Ou seja, 65,3 cm a mais que o hatch, 45,3 cm mais que o SW e 29 cm mais que o sedã Passion.
Investimentos de cerca de R$ 100 milhões foram feitos no desenvolvimento da picapinha, com o qual a Peugeot pretende abocanhar uma fatia de 10% no segmento.

No ringue
Fazer frente com os rivais já consagrados, como a Fiat Strada, Volkswagen Saveiro e Chevrolet Montana, pode não ser fácil, mas, a equipe de técnicos e engenheiros não poupou esforços para criar um carro agradável de dirigir e com um belo design. “Duas palavras guiaram o desenvolvimento deste veículo: masculinidade e robustez”, apontou Denyze Souza Agostinho, diretora de marketing da marca, que acredita se tratar de um segmento bastante masculino.
No interior, o espaço é bom, sendo possível armazenar bolsas, malas e mochilas atrás dos bancos. Contudo, não existem planos para o lançamento de uma versão cabine estendida. “Nas pesquisas de mercado, constatamos que o grande público de picapes prefere veículos com cabine simples. Com uma cabine estendida perderíamos espaço para a caçamba”, esclareceu a diretora de marketing da marca. Mas, segundo Gillaume, em breve esta versão poderá ser lançada.

Especificações
O Peugeot Hoggar chega ao mercado com duas motorizações: 1.4, com 82 cavalos de potência; e 1.6, com 113 cv, ambas flex, possibilitando o uso de álcool ou gasolina como combustível. São três versões de acabamento: X-Line, XR, com motor 1.4, e Escapade, que traz a versão 1.6. Os veículos serão lançados em seis cores.
A grande aposta da marca é a versão intermediária XR, com preço de R$ 35.350, que deve brigar de frente com outros veículos do segmento. Esta versão trará faróis dianteiros com máscara negra, duas barras longitudinais no teto da cabine, além de disponibilizar ainda relógio digital no painel, faróis de neblina dianteiros com moldura na cor do veículo e direção hidráulica.
Um pouco mais simples, o Hoggar X-Line custará R$ 31.400, contando com parachoque dianteiro pintado na cor da carroceria, manopla do câmbio com detalhe imitando alumínio e rodas de aço de 14 polegadas, além de chave de ignição codificada, indicador de manutenção do veículo, preparação para som, entre outros itens.
Para a versão topo de linha, Escapade, o preço sobe para R$ 43.500. Com valor alto, esta é a versão com visual mais elaborado e maior número de itens de série. Ar-condicionado, vidros elétricos com comando seqüencial para o motorista, bancos dianteiros esportivos, rodas de liga leve de 15 polegadas, enquanto as outras contam com rodas de 14 polegadas, entre outros itens.
Haverá dois pacotes de itens opcionais, que não tiveram os preços divulgados. O primeiro atende à versão X-Line e conta com ar quente mais ar-condicionado. Reunindo travamento automático das portas, vidros elétricos, ar quente, ar-condicionado e telecomando multifunções das chaves, o segundo é para a versão XR. Já a pintura metálica atende a todas as configurações e, no caso de air bag duplo frontal, apenas a Escapade.
Segundo a equipe da empresa, o valor da primeira revisão foi fixado em atraentes R$ 129. Câmbio e motor têm três anos de garantia e a Peugeot mantêm os 12 anos de garantia contra corrosão na lataria. A equipe também garante que haverá um grande número de acessórios para o veículo, tornando possível diversas formas de customização pelo cliente.

Leia Também