Quinta, 23 de Novembro de 2017

Petrobras vai fazer oferta histórica de ações

12 SET 2010Por 14h:47
VERA HALFEN

O mercado de capitais do Brasil vai realizar a maior operação do mundo de ofertas de uma única empresa em bolsa de valores: a Petrobras. A oferta de ações da estatal pode arrecadar até R$ 130 bilhões, que vão contribuir para fechar uma conta de R$ 220 bilhões de investimentos para os próximos cinco anos. O período de reserva da oferta prioritária e da oferta de varejo terá início amanhã. A decisão de ofertar ações na bolsa de valores foi do Governo federal – que é o principal acionista da companhia. O uso dos recursos captados serão para investir na exploração do pré-sal e dos campos de petróleo.   
A capitalização da Petrobras (com a venda de ações), servirá também para o pagamento de até cinco bilhões de barris em reservas que a União cederá, além de levantar dinheiro para novos investimentos. O processo será restrito aos atuais acionistas. Assim, cada sócio poderá comprar ações dentro da participação que já tem; se sobrarem, os papéis vão a mercado. Os acionistas que não comprarem as ações permanecem com os papéis que já possuem, mas sua participação na empresa é diluída.
Nessa operação, a parte da União não vai representar dinheiro imediato no caixa da empresa, pois o aumento será feito via cessão dos barris das futuras reservas do pré-sal. Já a participação dos minoritários, que detêm 60% do capital da empresa, significa dinheiro novo para investimentos. Nos cálculos iniciais, a estatal estimou arrecadar US$ 25 bilhões com o aumento de capital bancado pelos minoritários.
A União detém 32% do capital total da empresa. Entre as ações com direito a voto, o governo possui maioria, o que lhe dá o direito de controlar a empresa: 55,6%, segundo dados publicados em julho. A intenção do presidente Lula é aumentar a fatia da União para além dos 32% do capital total. A expectativa é chegar à casa dos 40%.
A operação permitirá que o uso dos recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), mas só para trabalhadores que já têm ações da estatal adquiridas com recursos do fundo, em 2000. Neste caso, poderão usar até 30% do FGTS na subscrição (compra) de novos papéis.

Leia Também