Sexta, 24 de Novembro de 2017

Petistas acusam o PDT de invadir a base do partido

5 ABR 2010Por 22h:08
LIDIANE KOBER

Petistas acusam o PDT de invadir as bases do partido e crise instala-se entre os aliados. Para piorar, parlamentares afirmam que os pedetistas estão se apossando do território do parceiro com o aval de lideranças do PT. O foco do problema estaria no interior do Estado, onde pré-candidatos agem para cooptar o apoio de vereadores petistas.

“Temos aliança na majoritária, mas nem por isso podemos reduzir nosso tamanho na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa”, defendeu o deputado estadual Paulo Duarte (PT). Hoje, PT e PDT caminham juntos no projeto de eleição do ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) ao Governo do Estado, mas não devem fechar aliança na chapa proporcional. O deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT), ao lado do senador Delcídio do Amaral (PT), concorrem à vaga ao Senado na chapa.

Deu início às divergências entre os partidos a indicação da ex-primeira-dama do Estado professora Gilda dos Santos (PT), para ser a primeira-suplente de Dagoberto. O fato de a indicação ter partido do presidente regional do PDT, João Leite Schimidt, sem consultar o Diretório Regional do PT, irritou os petistas.
Agora, vem incomodando parlamentares do partido o fato de pré-candidatos do PDT estarem buscando apoio nas bases do PT. “Fica se atribuindo a crise só entre o Zeca (Orcírio) e o Delcídio, mas o pior é que parte considerável da legenda está atuando muito mais nas candidaturas proporcionais do PDT”, comentou Duarte.

A chiadeira tem origem no fato de pedetistas terem espaço de destaque em atos de José Orcírio no interior do Estado. O ex-governador é taxativo ao informar que convida, com antecedência, todos os correligionários para participar dos eventos. “Mas é com o PDT que ele (Orcírio) programa a agenda”, rebateu o deputado estadual Amarildo Cruz (PT).

Segundo Paulo Duarte, nos atos de José Orcírio, os pedetistas estariam tentando cooptar o apoio de vereadores do PT. “E com o aval de algumas lideranças do PT”, reforçou Amarildo.
A irritação dos petistas agrava-se diante da suspeita de lideranças do partido cogitarem apoiar Dagoberto na disputa pela Prefeitura de Campo Grande, em 2012. “Na pior das hipóteses, o Dagoberto está hoje do lado do PT de olho no apoio do partido para concorrer à prefeitura da Capital”, comentou Amarildo.

Fim da crise à vista?
Mais otimista, o deputado estadual Pedro Kemp (PT) aposta que o pior da crise passou. “Tudo está equacionado porque depois da Páscoa vamos começar a fazer agenda juntos”, explicou. Conforme o Diretório Regional do PT, estão previstos para este mês encontros do partido, com a presença de todas as lideranças, especialmente de José Orcírio e Delcídio.
O compromisso foi firmado porque todos parlamentares têm conhecimento de que a legenda só têm chances de retomar o comando do Governo do Estado unida.

Leia Também