Domingo, 19 de Novembro de 2017

Petista ameaça processar vice de Serra

19 JUL 2010Por 20h:02
São Paulo

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, ameaçou em sua página no Twitter processar o vice na chapa do tucano José Serra à Presidência, Indio da Costa (DEM-RJ), após as declarações do democrata contra a presidenciável petista, Dilma Rousseff. “Esse Indio desqualificado quer ser processado. O problema é que ele não vale o custo do papel necessário para a petição”, disse Dutra no microblog. A ameaça do petista ganhou força após Indio acusar o PT de ligação com o tráfico e com os guerrilheiros das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).
O democrata fez os ataques em entrevista concedida ao portal “Mobiliza PSDB”, que integra o aparato da campanha tucana na internet. “Todo mundo sabe que o PT é ligado às Farc, ligado ao narcotráfico, ligado ao que há de pior. Não tenho dúvida nenhuma disso”, afirmou.
Em texto publicado na madrugada do último sábado no Twitter, Indio chamou Dilma de ateia e “esfinge do pau oco”. Ele fez o ataque após a petista afirmar, em comício no Rio de Janeiro, que seu vice “não caiu do céu, não é improvisado. É competente e capaz”.
“Para uma ateia, deve ser duro ter um adversário que cai do céu”, reagiu o democrata, em texto que foi ao ar por volta de meia-noite de sábado. Ainda na madrugada, o vice de Serra usou o microblog para acusar Dilma de “dissimular sobre religião”. “Ela nem consegue olhar nos olhos do eleitor. Esfinge [sic] do pau oco”, atacou.
Os comentários de Indio foram republicados por dezenas de internautas. Simpatizantes de Dilma o acusaram de “apelar” e baixar o nível do debate eleitoral.
A petista tem se apresentado na campanha como católica, mas, em sabatina realizada em 2007, ela disse não ter certeza sobre a existência de Deus. “Eu me equilibro nessa questão. Será que há? Será que não há?”, disse.

Plebiscito da baixaria
Indagada sobre a troca de acusações entre tucano e petistas, a candidata do PV à presidência da República, Marina Silva, afirmou ontem que, agora, a guerra de José Serra e Dilma Rousseff virou um “plebiscito da baixaria”. Marina condenou as declarações do vice de Serra. “Sinto que eles estão indo por um caminho bem mais perigoso. É a guerra dos dossiês e agora esse tipo de declaração. No meu entendimento, creio que agora o plebiscito é pra saber quem vai fazer mais baixarias. Os brasileiros não merecem isso”, afirmou Marina Silva.
Marina esteve em Teresina para realizar o primeiro comício de sua campanha que ocorreu na noite de sábado e inaugurar comitê domiciliar “Casa de Marina”. Ela disse que não vai entrar no jogo “rasteiro” dos ataques pessoais e que as críticas que faz são em cima de projetos. Para ela, a eleição virou um clima de “vale tudo”. “A gente vê a guerra eletrônica como se fosse um verdadeiro vale tudo. Mas, pra ganhar a eleição, não vale tudo”, defendeu.

Leia Também