Domingo, 19 de Novembro de 2017

PDT pode expulsar o prefeito douradense

3 SET 2010Por 20h:02
LIDIANE KOBER

O comando regional do PDT vai intervir no diretório municipal de Dourados e promete expulsar do partido o prefeito Ari Artuzi por improbidade administrativa e infidelidade partidária. Em reunião prevista para hoje, a executiva estadual da legenda vai nomear a equipe interventora e acionará o conselho de ética para iniciar o processo de afastamento do prefeito.
“Não é a primeira vez que surgem denúncias contra o Artuzi por irregularidades na administração da Prefeitura de Dourados”, disse o presidente de honra do PDT, João Leite Schimidt. No ano passado, ainda no início do mandato do pedetista, explodiu o primeiro escândalo com a Operação Owari. Anteontem, veio à tona a Operação Uragano, que investiga fraudes em licitação, corrupção e formação de quadrilhas. O esquema seria chefiado por Artuzi, conforme a Polícia Federal.
“Além disso, temos provas da infidelidade partidária do prefeito”, completou Schimidt. A insatisfação tem origem no fato de Artuzi ter declarado preferência pela reeleição do governador André Puccinelli (PMDB), contrariando a orientação do PDT de apoio a José Orcírio dos Santos (PT) na sucessão estadual.
Em relação ao suposto envolvimento dos vereadores Humberto Teixeira Junior (PDT) e de Aurélio Bonatto (PDT) na Operação Uragano, Schimidt foi mais cauteloso e não falou em expulsão. “Vamos investigar a participação deles no esquema”, afirmou. “Com certeza eles terão amplo direito de defesa”, acrescentou. “Assim como o Artuzi”, concluiu.
Indagado sobre a situação do partido em Dourados, diante de seguidos escândalos envolvendo a principal liderança no município, Schimidt reconheceu dificuldades. “Teremos que renascer das cinzas”, declarou.

Leia Também