Domingo, 19 de Novembro de 2017

Para deputado, seria hipocrisia dizer que não há campanha

10 MAI 2010Por 05h:57
Fernanda Brigatti

Todos os pré-candidatos estão fazendo campanha antecipada, à revelia do que prevê a legislação eleitoral. A constatação é do deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB), para quem seria hipocrisia dizer que “só um ou outro está fazendo” campanha.
“Todos estão indo para o interior, todos estão reunindo suas lideranças nos bairros. Não adianta querer dissimular, falar que é reunião disso ou daquilo, porque o único objetivo é a eleição de outubro”, disse.

A campanha extemporânea, para Marquinhos, está sendo realizada em todos os níveis: “Tanto os pré-candidatos a estadual, a federal, a senador, bem como a governador”, comentou. Na disputa majoritária, o peemedebista entende que o governador André Puccinelli (PMDB), pré-candidato à reeleição, e o adversário dele, o ex-governador José Orcírio dos Santos (PT), estão em campanha.
Para o parlamentar, no entanto, a medida não representa ilegalidade. “A legislação eleitoral é dúbia até nesse ponto”, ressaltou. Nesse quesito, o parlamentar faz uma mea-culpa: “Eu estou reunindo sim, eu estou indo nos bairros, eu tenho conversado com meus simpatizantes. Eu sou pré-candidato e tenho feito a prestação de contas do meu mandato”, disse.

Denúncia
Para a oposição ao governo na Assembleia Legislativa, o pré-candidato André Puccinelli está em plena campanha antecipada. O deputado estadual Paulo Duarte (PT) fez uma representação à Procuradoria Regional Eleitoral, pedindo a apuração do suposto crime.
Na semana passada, Duarte complementou a representação com as agendas distribuídas na rede estadual, em que consta uma foto do governador. Para o deputado Pedro Kemp (PT), a imagem de Puccinelli claramente fere a Constituição, configurando promoção pessoal e, ainda, campanha antecipada.
Na denúncia encaminhada por Paulo Duarte, foi anexado, ainda, um jornal distribuído em Corumbá. O material trata dos investimentos estaduais no município, mas omite o repasse de verbas federais.
Líder do governo na Assembleia, o deputado Youssif Domingos (PMDB), defendeu que nem Puccinelli, nem Orcírio estão em campanha antecipada. Para ele, as ações de ambos são razoáveis e inerentes ao período.

Questionável
Para Marquinhos Trad, essas ações, que poderiam ser questionadas como campanha antecipada, não representam prejuízo à democracia. O parlamentar acredita que o possível abuso do poder econômico na antecipação da campanha eleitoral é relativa. “Até porque a prestação de contas de todos os candidatos sempre foi bem menor do que realmente gastaram e a Justiça Eleitoral sempre aprovou as contas da maneira como elas são enviadas”, acusou.
A saída, na avaliação dele, seria uma reforma política que dê condições e mecanismos à Justiça Eleitoral para dimensionar os gastos reais dos candidatos. Como está hoje, o parlamentar acredita que o sistema pode “cometer injustiças com alguns e conivências com outros piores”.

Leia Também