Domingo, 19 de Novembro de 2017

Para chamar atenção, candidatos apelam para apelidos

10 JUL 2010Por 20h:53
Fernanda Brigatti

Em um disputa tão acirrada quanto um vestibular, vale tudo para aparecer. E quem ainda não tem nome conhecido apela para apelidos inusitados para chamar atenção. Além das já tradicionais bancadas dos professores, pastores e “doutores”, há as candidaturas dos bem-humorados. Tem personagem mitológico, animal silvestre, personalidade histórica e combinações curiosas.
Candidato a deputado estadual pelo PTC, Carlos Mariguela tem 25 anos e não tem qualquer ligação familiar com o fundador da Aliança Nacional Libertadora (ALN), grupo armado de combate à ditadura. Paranaense, ele ganhou o apelido quando chegou a Mato Grosso do Sul, há quatro anos. Atuando junto ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), Adonis Marcos de Souza, como foi batizado, julgou ter um nome complicado de ser lembrado. Foi apresentado a acampados como Carlos.
“O acampamento foi batizado de Carlos Mariguella e acabou o pessoal me chamando assim”, disse. Fundador do Movimento Camponês - grupo de luta pela reforma agrária, o Mariguela de Campo Grande se identifica com a história do homônimo. “Foi um cara que lutou pelas questões sociais, contra a ditadura. Foi uma cara muito humanista”, afirmou.
O mesmo PTC abriga o participante do reality show Big Brother Dilsinho MadMax, que depois de tentar alavancar a carreira de cantor sertanejo busca agora uma vaga na Assembleia Legislativa.
A lista de candidatos do PTdoB abriga talvez o nome mais curioso entre os postulantes a uma vaga na Câmara dos Deputados neste ano. Roberto Ribeiro de Oliveira tem 57 anos e é candidato a deputado federal, mas quem procurar seu nome na relação de registros talvez não encontre. Na urna, ele será localizado pela alcunha de Papai Noel. De cabelos e barbas brancas e longas, o candidato realmente se assemelha à imagem do bom velhinho.
Outros nomes curiosos irão às urnas neste ano. Pelo PDT, tenta se eleger deputado federal Maico Doido. A uma das 24 cadeiras da Assembleia Legislativa, o PTB tenta emplacar o Lobo Guará e o PP lançou o Tião Sereia. Entre os apelidos, ainda figuram Mazinho (PDT), Moa (PSOL), Doga (PCdoB), Totinha (PV), Mazinho (PDT) e Guina (PV).

Leia Também