Domingo, 19 de Novembro de 2017

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Pais pedirão indenização a hospital por roubo de bebê

8 SET 2010Por 23h:56
Silvia Tada

A família da pequena Keila Vitória Alves Canavi, sequestrada anteontem quando estava no Hospital Universitário, com apenas uma dia de vida, estuda a possibilidade de pedir indenização pelo ocorrido. A recém-nascida foi levada por Regina Célia Gomes, de 40 anos, e não houve o registro nem da entrada nem da saída da mulher com a criança pela portaria do hospital. As câmeras de segurança estavam desligadas, conforme apurou, até agora, a Polícia Civil. Horas depois, a Polícia Militar localizou a mulher com a criança roubada.
Na tarde de ontem, a mãe, Laudinéia Alves, de 25 anos, recebeu alta e foi para casa com a filha. As duas passaram bem a noite, depois do susto do roubo e do alívio do reencontro. O pai do bebê, Marcos Roberto Canavi, de 25 anos, relatou que a direção do Hospital Universitário ainda não se pronunciou sobre o que teria ocorrido na tarde de anteontem nem como aconteceu a falha que permitiu que Regina deixasse o hospital carregando a recém-nascida.
“Registramos o boletim de ocorrência contra a mulher. Agora, vou ver se tenho algum direito de indenização pela falha do Hospital Universitário. Nossa intenção não é ganhar dinheiro, mas garantir que o problema não aconteça com outras famílias”, relatou o pai.
“Foram 6h de sofrimento e entendo que houve negligência do hospital”, disse a mãe. Ela retornou para casa e se reencontrou com os outros dois filhos, Suzane, de 3 anos, e Luiz André, de 5 anos. “Não vamos mais sair de perto da neném”, comentaram os parentes, que estavam na casa da família, no Jardim Pacaembu.
 
Presídio
Regina Gomes foi autuada por sequestro qualificado. Ela está detida na 6ª Delegacia de Polícia, localizada no Jardim Tijuca, e será transferida ainda hoje para o Presídio Feminino Irmã Irma Zorzi. Por enquanto, ela ficou numa cela isolada na delegacia.
Regina foi presa ainda na tarde de segunda-feira por policiais militares do 10º Batalhão em uma rua próxima ao posto de saúde do Bairro Moreninhas. Em depoimento prestado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac), ela manteve a mesma versão sobre o crime. A dona de casa alegou que roubou a criança porque queria dar um filho para o atual companheiro.
Como ela perdeu o bebê que estava esperando, continuou simulando a gravidez e anteontem ligou para o marido dizendo que iria ao hospital, onde ganharia a criança. À tarde, após roubar o recém-nascido, ela ligou novamente para o marido e informou que o bebê era uma menina. Regina já é mãe de outros três filhos por conta de outro relacionamento. O marido de Regina, que não terá o nome divulgado, não responderá por nenhum crime, pois, conforme os policiais, foi enganado pela mulher.
De acordo com a delegada Fernanda Félix Carvalho Mendes, a mulher foi autuada por sequestro, qualificado pelo fato de a vítima ser menor de 18 anos e a pena pode variar de 2 a 5 anos de prisão. O caso será encaminhado para a Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA).
A família de Keila Vitória é carente e tem recebido a ajuda da Pastoral da Criança. Doações para o enxoval, fraldas e cesta básica pode ser feitas pelos telefones 9290-9029 ou 3388-6026 (Satira da Costa Barbosa Lima).

Leia Também