Sábado, 18 de Novembro de 2017

Os biombos e suas utilidades

13 AGO 2010Por 06h:53
Livia Diniz, Bolsa de Mulher

Se quiser separar algum ambiente e não puder construir paredes, use um biombo. Chamados pelos chineses de byobu (parede de vento), essa peça milenar exibe hoje design com diferentes versões de acabamento, que podem ser de madeira, bambu, plástico, metal, vidro, papelão e tecido. A escolha vai depender da função e do espaço em que o móvel fará parte.
Sua praticidade também é medida pelos vários tipos de materiais e tonalidades e tamanhos em que são encontrados. Esta versatilidade proporciona melhor conjugação com a decoração existente no espaço.
O biombo é um objeto que dentro de casa pode ser um grande curinga. Pequenos defeitos para se camuflar, proteger áreas que necessitam de privacidade ou para separar ambientes, ele é perfeito tanto para as pessoas que têm pouco espaço, quanto para quem quer somente um objeto repleto de personalidade em uma sala.

Onde colocar
Cabíveis tanto em área interna como externa, os biombos são alternativas para um hall de um apartamento. De acordo com o s decoradores, nessa situação, a peça funciona para vedar a visão direta da entrada do imóvel de quem passa na rua. No hall de um prédio, é um artifício para ocultar a porta de acesso à garagem ou elevador.
Os biombos colocados em hall podem ser espelhados, assim propiciam ao visitante dar uma olhadinha no visual. Ficam sofisticados e úteis se usados como cabideiros para bolsas, chapéus e guarda-chuvas. Outra dica é tornar o biombo um porta-retrato gigante com várias fotos anexadas. Você também pode transformá-lo em um suporte para telas de arte. O que vale mesmo é abusar da criatividade. Em um dormitório que não disponha de closet, é sugerido o biombo para fazer as vezes de provador de roupas. A dica vale também para lojas, desde que o material escolhido preserve a privacidade do usuário.
Numa sala de muitos ambientes, pode separar graciosamente a cozinha. No quarto do casal, o biombo afasta os olhares curiosos vindos da janela. E no jardim, o biombo pode disfarçar os apetrechos de jardinagem. Todos os formatos são perfeitos e ajudam a solucionar alguns pequenos probleminhas.
Eles ainda são recomendados para esconder a entrada de uma área de grande intimidade, de um banheiro ou cozinha por exemplo. Num salão de festas, teatro ou auditório, eles se encaixam perfeitamente como divisórias, com a vantagem de terem mobilidade e podendo ser ajustáveis a diferentes situações. Segundo os decoradores, a mobilidade que o biombo permite ao layout de um projeto é o principal trunfo dessa meta decorativa.
Além de dividir cômodos, cria um anteparo de grande flexibilidade em entradas privativas. É um curinga na decoração e, ao mesmo tempo, se o morador enjoa pode retirá-lo do local sem ser preciso levantar ou derrubar uma parede.

Escolha do material
Seja em casa para separar o living da sala de tevê, no escritório para camuflar a entrada da cozinha ou banheiro, na decoração de um salão de festa para separar alas de acesso dos convidados ou como divisórias de cômodos em um loft, o fundamental é prestar atenção ao material que será escolhido para o biombo. É preciso cuidado para não deixar o espaço “brega”. Uma casa toda clean, por exemplo, não combina com um biombo de madeira pesada, entalhada.
Biombo dá um toque sutil em projetos externos, principalmente para separar uma área de lazer da churrasqueira. Dá privacidade a um espaço de ofurô ou spa. No primeiro caso, acabamento em bambu combina melhor com a ambientação oriental. Um biombo treliçado de madeira cai bem como suporte para arranjos de plantas e trepadeiras. Para evitar exageros, é sugerido madeira tratada, PVC ou bambu para os biombos instalados em varandas e jardins. Já em ambiente interno, as opções de materiais mais recomendadas são madeira, vidro e tecidos.

Leia Também