Sábado, 25 de Novembro de 2017

Orcírio e Delcídio discutem coligações amanhã

2 MAR 2010Por 06h:09
Será amanhã, em Brasília, a reunião do presidente regional do PT, Marcus Garcia, com as duas principais lideranças do partido em Mato Grosso do Sul – o ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos e o senador Delcídio do Amaral – para tratar da estratégia de alianças partidárias visando as eleições deste ano. O encontro seria ontem, em Campo Grande, mas foi adiado porque o ex-governador teve febre no domingo e tinha consulta médica marcada para segunda-feira e o senador agendou reunião com o prefeito Nelsinho Trad (PMDB) para discutir a busca de recursos federais visando minimizar os estragos causados pelas fortes chuvas do fim de semana na Capital. “Como o senador tinha outros compromissos e eu teria de ir a Brasília, pedi ao Marquinhos para marcar a reunião para quarta-feira”, informou Orcírio, no fim da tarde de ontem, ao sair do consultório. “O médico passou injeção para gripe. Peguei a virose forte que está por aí. Não é dengue não”, explicou. O ex-governador informou que viaja hoje para São Paulo (SP) a negócios e de lá seguirá, à noite, para a capital federal. Marcus Garcia vai direto de Campo Grande para Brasília, amanhã. O encontro dos três deve acontecer no almoço. Um dos principais assuntos na pauta deve ser o fechamento da chapa majoritária. O PT tem Orcírio como pré-candidato a governador, Delcídio para a reeleição e mantém conversação com o PDT para que o deputado federal Dagoberto Nogueira dispute a outra vaga do Estado no Senado. Para indicar o candidato a vice-governador, o PTB continua o principal cotado. Os petistas não acreditam que o projeto seja prejudicado pelo fato de o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson (RJ), declarar que pretende apoiar o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Como não existe mais verticalização, isso não impedirá o PTB no Estado”, disse Orcírio. O ex-governador afirma que grande parcela do PTB tem demonstrado simpatia por sua pré-candidatura ao governo. “Evidentemente, a sigla terá de analisar em nível partidário, mas vou continuar defendendo essa aliança na conversa com o senador Delcídio e com o presidente do PT”, adiantou. Para a vaga de vice, os nomes preferidos por Orcírio são de lideranças do setor rural. “Vejo com simpatia o Chico Maia, da Acrissul (presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul); o Italivinho Neto, sobrinho neto do ex-senador Lúdio Coelho (PSDB); Zelito Ribeiro, de Aquidauana”. Orcírio também defende que, pelo PTB, o empresário Antonio João Hugo Rodrigues seja mantido na suplência do senador Delcídio. “O Antonio João é uma pessoa muito conhecida, empresário da comunicação, agrega votos. Tudo isso conta”, afirmou. O ex-governador explicou ainda que o PTB, confirmando a aliança, terá participação num futuro governo de coalizão e estrutura de campanha de praxe. “Coalizão no nosso caso é real. Já provei em oito anos de governo que aliados participam de nossa gestão. Os dirigentes dos partidos sabem que faço diferente do atual governo que usa os partidos e depois joga fora, como o PDT, o PR e o próprio PTB”, alfinetou Orcírio. Além do PDT e do PTB para a majoritária, outros partidos estão na mira dos petistas para chapas proporcionais visando eleger deputados estaduais e federais. Conversações já foram iniciadas com o presidente regional do PP, deputado federal Antônio Cruz; e o partido pretende conversar com o presidente estadual do PSB, ex-deputado Sérgio Assis. “Queremos também falar com os presidentes do PMN, PSL, PSDC, PCdoB e do PV”, informou Garcia.

Leia Também