Segunda, 20 de Novembro de 2017

Orcírio diz que só desiste da candidatura se for retirado à força

9 NOV 2009Por 23h:00
     

Karine Cortez

 

O ex-governador e pré-candidato petista ao Governo do Estado, José Orcírio dos Santos, garantiu ontem que só sai da disputa eleitoral de 2010 "se for retirado à força". Ele ressaltou ainda que não atenderá qualquer pedido da direção nacional do partido no que se refere a abrir mão da candidatura própria em benefício da aliança nacional entre PT e PMDB. "Vou estar à revelia da decisão nacional se entenderem que temos que desistir. Não irei atender ao pedido de ninguém", afirmou o ex-governador. Orcírio é hoje o maior rival do governador André Puccinelli (PMDB), que vai concorrer à reeleição.

A única maneira de barrar Orcírio, segundo ele mesmo, será a votação da maioria dos militantes petistas contra sua candidatura. "Se os companheiros do PT votarem contra minha candidatura, se não houver quorum, minha candidatura não terá legitimidade e eu serei obrigado a desistir. Não posso ser candidato de mim mesmo, não é?", explicou o ex-governador.

Ele vem percorrendo o Estado para divulgar as eleições internas do PT, que deverá levar mais de 10 mil pessoas às urnas no dia próximo dia 22. No fim de semana, o petista participou de reunião em Guia Lopes da Laguna onde esteve num jantar com mais de 200 pessoas. "Eu estou trabalhando e tenho recebido muito apoio. Vou disputar essa eleição e vou ganhar essa eleição", enfatizou Orcírio.

Leia Também