Quarta, 22 de Novembro de 2017

Operação barra manifestantes em rodovias

30 MAR 2010Por Silvia Tada e Maria Matheus22h:45
A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) montou ontem uma megaoperação de policiamento e fiscalização para dificultar a vinda a Campo Grande de funcionários administrativos da Educação. Eles foram mobilizados pela Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems) para participar de manifestação na Assembleia Legislativa, quando cobrariam mudanças no projeto de reajuste salarial da categoria. Foi reforçado o policiamento na entrada do Parque dos Poderes e em algumas rodovias de acesso a Campo Grande. Mesmo assim, o plenário da Assembleia ficou lotado com representantes dos funcionários.

Pelo menos oito ônibus com cerca de 200 trabalhadores foram retidos pela fiscalização em postos das polícias Rodoviária Federal, na saída para São Paulo, em Terenos, Jaraguari e Água Clara, além do posto da Polícia Rodoviária Estadual em Sidrolândia.
Foram envolvidos na operação, além de policiais civis, militares (inclusive ambientais) e rodoviários, fiscais da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul (Agepan), Agência Estadual da Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), amarelinhos da Agência Municipal de Trânsito (Agetran), que às 5 horas da manhã já se posicionavam na entrada do Parque dos Poderes para inspecionar ônibus fretados vindos do interior.

Barrados na rodovia
 Já às 7h30min um ônibus da empresa Ouro e Prata vindo de Aquidauana foi barrado no posto da PRF em Terenos. Os 28 ocupantes foram informados de que teriam de descer, em grupos de cinco pessoas, para apresentar documentos. Após a verificação da documentação do veículo, fiscais da Agepan constataram a falta da autorização para viagem. Segundo o coordenador da Câmara de Transporte da Agepan, Ayrton Rodrigues, trata-se de um documento de porte obrigatório, em que consta o certificado de vistoria veicular, o seguro dos passageiros. O ônibus foi retido e os ocupantes tiveram duas opções: aguardar a empresa enviar novo veículo, dessa vez com a autorização, ou voltar para Aquidauana. A empresa foi multada em R$ 1.399,00. Os manifestantes aguardaram por três horas a chegada de outro veículo e puderam, então, seguir viagem até Campo Grande.

Uma van com servidores de Anastácio também foi parada no posto da PRF. Após alguns minutos, uma viatura  da Polícia Civil saiu em perseguição e trouxe de volta a van para o posto da PRF. Passado mais algum tempo, o carro foi liberado para seguir viagem. “Fizeram de tudo para tentar segurar a van, mas não conseguiram”, constataram os manifestantes.

A tesoureira do Sindicato dos Trabalhadores em Educação, Janete Mianuti, manifestou estranheza com o fato de o rigor na fiscalização ter coincidido com a viagem que fariam a Campo Grande para se manifestar na Assembleia. “Reconhecemos o trabalho dos órgãos estaduais, a irregularidade realmente existiu”, destacou. Ela lembrou que os ônibus barrados viajam diariamente levando e trazendo estudantes de Aquidauana para Campo Grande.
Segundo o representante da Agepan, trata-se de uma operação de rotina realizada em todos os feriados, como carnaval, e agora, na Semana Santa. Em notícia divulgada pelo Governo do Estado, ontem pela manhã, a explicação é que a operação começou ontem e vai até do dia 4 de abril, e o objetivo é verificar a situação dos carros, condições de transporte e combater o transporte clandestino.

Leia Também