Sexta, 24 de Novembro de 2017

Onça invade quintal e é capturada em Corumbá

17 MAI 2009Por 22h:55
     

        Sílvio Andrade

Um filhote de onça parda macho mobilizou os órgãos ambientais, a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e até o Ministério público numa operação de resgate do animal, que ficou mais de 15 horas no alto de uma árvore Sete Copas, no bairro Aeroporto. Centenas de pessoas acompanharam a ação de risco, nesta tarde, que foi um sucesso e preservou o animal.

O felino entrou no quintal de uma residência, situada entre as ruas Gonçalves Dias e Joaquim Wenceslau de Barros. Quando o morador, identificado como Nelson, foi ao banheiro, fora da casa, às 23h de sábado, deu de cara com o animal sob uma caixa de água no chão. Recuperado do susto, chamou os bombeiros. Acuada, a onça subiu na árvore.

Segundo os moradores, o animal, de aproximadamente dois anos e pesando 45 quilos, já rondava a região nos últimos três dias e estava matando galinhas para se alimentar. Ontem, ela resistiu a fome e sede no topo da árvore, a cerca de dez metros de altura, assustada com a presença de muitas pessoas atraídas pela novidade.

O resgate foi difícil e arriscado: o animal, estressado, poderia descer e atacar as pessoas, causando um tumulto generalizado. As pessoas não respeitavam a área de isolamento e a polícia. O Ministério Público entrou no caso pedindo muita cautela e uma ação planejada para não colocar em risco a vida do filhote. Foi uma operação de muita adrenalina.

Dardo certeiro

O pesquisador Walfrido Tomás, da Embrapa Pantanal, especialista em fauna silvestre, estava em Campo Grande e retornou de avião para coordenar o resgate. Experiente em captura de onça e integrante do Projeto Onça Pantaneira, João Batista Elias Silva, 47, foi trazido da fazenda São Bento, situada na Estrada-Parque, para atirar o dardo com anestésico.

"Onça parda é menos perigosa que a pintada. Se ela descer (da árvore), vai fugir. Se é a pintada, ela ataca o primeiro cachorro ou pessoa que estiver na sua frente", conta João Batista, que trabalha na captura de onça há dez anos. "Já ajudei a pegar umas 30 onças", conta. Antes de atirar o dardo na paleta da parda, ele confessou: "tô emocionado".

        Com a ajuda de uma escada, João Batista se aproximou da onça e a cerca de uma distância de oito metros disparou o dardo de um rifle do Ibama. O animal pulou de galho e minutos depois, sob efeito do medicamento, foi empurrada pelos bombeiros, caindo numa rede próximo ao solo. Depois de medicada na Embrapa Pantanal, foi solta no início da noite no Pantanal.

Leia Também