Sexta, 17 de Novembro de 2017

Obama defende a reivindicação dos homossexuais

11 OUT 2009Por 09h:22
     Washington, 11 out (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, tentou reconquistar hoje o coletivo homossexual com uma apaixonada defesa de seu compromisso inquebrantável com sua luta pela igualdade de direitos e a promessa de eliminar as medidas discriminatórias.
        
        Em discurso perante a Campanha pró-Direitos Humanos, a maior organização em defesa dos direitos dos homossexuais dos EUA e que organizou na noite de ontem um jantar de gala para arrecadar fundos, Obama admitiu que as mudanças prometidas na campanha eleitoral não chegam tão rápidas como eles esperavam.
        
        Apesar disso, pediu à comunidade homossexual paciência. "Não duvidem dos avanços que vamos conseguir, porque meu compromisso com vocês é inquebrantável".
        
        "Estou com vocês nesta luta", afirmou Obama, sob ovações.
        
        Com estas palavras, Obama estendeu uma mão a um setor da população que o apoiou de maneira decisiva nas eleições do ano passado, mas que desde então se sentiu abandonado e se lamentou da inatividade da Casa Branca em áreas como a presença dos homossexuais nas Forças Armadas.
        
        Por isso, o presidente americano, da mesma forma que já o tinha feito em algumas ocasiões anteriores, reiterou hoje sua promessa de eliminar a política atual em relação aos homossexuais nas Forças Armadas.
        
        Esta política, conhecida como "don't ask, don't tell" ("Você não pergunta, eu não respondo") permite que os homossexuais possam servir nas Forças Armadas sempre e quando não revelarem sua orientação sexual.
        
        Apesar das promessas de Obama de acabar com esta política, até agora não deu nenhum passo visível para pôr fim a esta lei, implantada durante a Administração de Bill Clinton (1993-2001).
        
        O presidente não deu, no entanto, uma data para a revogação da lei como tinha reivindicado os homossexuais.
        
        Mais detalhes na Folha Online
        

Leia Também