Sábado, 18 de Novembro de 2017

O BBB de Dilma

3 MAI 2010Por 07h:51
Antes de ser eleito presidente da República, Lula nunca havia administrado um Estado ou um município que seja. Atravessou tempestades preconceituosas e venceu as duas últimas eleições presidenciais. E no exercício do cargo convenceu. Os elevados índices de aprovação popular alcançados por seu governo confirmam esse convencimento. Porém, seus opositores insistem em manejar como armas o medo e o preconceito. Não apresentam propostas, nem programas; não debatem a política; fogem do incômodo de fazer o contraditório nas comparações entre os governos de FHC e Lula. Acomodam-se, no tratamento refinado e cortês com que são premiados por parte da mídia, usufruem  ao máximo essa leniência, passando por cima dos péssimos  números de FHC e das medíocres gestões tucanas em São Paulo para afirmar sem  o menor constrangimento, que com eles o Brasil “pode mais” e mesmo após terem realizado  sete anos e meio de oposição sistemática, sem tréguas,  reivindicam-se representar o pós-Lula!!??.   
 
Não tendo o quê falar, apelam para  os ataques pessoais: “boneca de ventríloquo” FHC – “a candidata não está suficientemente adestrada” – Agripino Maia. Uma mulher na política, atividade dominada por um feudo quase exclusivamente masculino e com fortes características machistas, não seria ministra das Minas e Energia, chefe do Gabinete Civil da Presidência da República e candidata ao mais alto cargo público da Nação se não tivesse capacidade. Evidente: não se poderia esperar de opositores ranhetas que rendessem homenagens e reconhecessem a grande capacidade administrativa de Dilma. Querem vencer o jogo no tapetão, na intimidação, tentam  amordaçar Lula e Dilma. A perseguição implacável exercida contra Dilma nos lembra “1984”, o best seller de George Orwell, no qual  o Minever (Ministério da Verdade) alterava situações, deturpava dados, falas e ações dos inimigos de Oceania.

 O Big Brother Brasil (BBB) alterou sua essência ao oferecer à sociedade um confinamento da boçalidade e das frivolidades, bem distante do viés ideológico do mundo que Orwell imaginou. O BBB de Dilma segue a linha Orwell.  Cada fala sua será garimpada, passará por um pente-fino, será devidamente  esquadrinhada, terá acompanhamento de câmaras exclusivas para monitoramento de seus passos, logicamente editadas  para desacreditá-la, de olho em possíveis e naturais deslizes. Estão acostumados a edições.  Não é de duvidar que recorram até à leitura labial. Imaginem se Dilma venha a cometer gafe semelhante à do tucano José Serra, que no lançamento de sua candidatura citou Simão Jatene, ex-governador do Pará, como o ex-governador de Rondônia? O mundo teria caído.

 À Dilma não será dado o direito da falha. Pior. Sempre  haverá, especialistas na “arte” de deturpar, de deformar suas palavras para encontrar o nexo e o  léxico que atendam aos seus interesses. Não  se deve subestimar a habilidade desse time. Durante meses, desenvolveram  um  discurso, taxando o governo de autoritário,  um anteparo e  antídoto para sufocar qualquer reação do campo governista. Reclamações serão carimbadas e rotuladas como antidemocráticas, cerceadora da livre imprensa. Desejam promover um massacre. Veremos coisas feias. Felizmente  o governo Lula é muito forte e não pode ser subjugado. Se dependesse dos  noticiários dos  grandes jornais e que são veiculados  nos telejornais, a popularidade de Lula estaria bem abaixo de FHC. O povo assiste aos telejornais e lê os grandes jornais, mas continua para desespero do Grande Irmão, apoiando o seu governo.

 Marcos Alex Azevedo de Melo, o Alex do PT, Historiador, ex. vereador PT/CG/MS

Leia Também