Sexta, 17 de Novembro de 2017

Novos focos de queimadas foram registrados no Brasil este ano

14 AGO 2010Por 16h:30
     

Novos focos de queimadas foram registrados no Brasil neste ano, segundo informações do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O meteorologista Raffi Agop, do Inpe, explicou ao G1 que as áreas estão localizadas principalmente no sul do Tocantins e norte de Goiás, perto da divisa com Mato Grosso. Novos pontos de incêndio também surgiram no sul de Goiás e no Pará. Nesses locais, segundo Agop, o Inpe ainda não havia registrado focos de incêndio.

Entre as áreas citadas por Agop estão o Parque Nacional do Araguaia e a Serra Geral do Tocantins, que são unidades de conservação. "São pontos novos, que não queimavam há dez anos. O Tocantins, por exemplo, teve cerca de 4.200 focos neste ano contra pouco mais de 900 no ano passado. Do total no estado em 2010, 40% dos focos ocorreram dentro ou perto de unidades de conservação", disse.

O Inpe ainda não estimou a extensão atingida e as causas dos novos incêndios. Porém, o meteorologista ressalta que, apesar das novas áreas, os pontos de incêndio diminuíram de maneira geral nos últimos anos. "O número tem caído por conta da queda no desmatamento e também pelo aumento na fiscalização das áreas de vegetação. No ano passado, a quantidade de queimadas foi bem menor também, pois choveu mais do que nos outros anos."

O período mais crítico para queimadas são os meses de agosto e setembro, segundo o Inpe. Mato Grosso e Pará são os estados mais críticos para ocorrência de queimadas, mas há grande ocorrência também em Rondônia e Mato Grosso do Sul.

"As queimadas começam em maio, mas agosto e setembro são os piores meses para o Centro-Oeste e o sul da Amazônia, que sofrem com a estiagem e o tempo seco. A partir de outubro até janeiro, começa a chover nessas regiões e as queimadas migram para o Nordeste, que está com o ar mais seco e recebe maior incidência de sol. De janeiro a abril, as queimadas passam a atingir Roraima e o norte do Amazonas, áreas que estão mais secas enquanto chove em todo o resto do Brasil", disse.

Apesar de a estiagem colaborar para queimadas, segundo Agop, muitos incêndios são criminosos, causados por pessoas que ateiam fogo a lixões ou a terrenos para limpar a mata. Há também incêndios provocados por balões. A previsão, de acordo com o Inpe, é que o tempo continue seco até outubro.

Leia Também