Sábado, 18 de Novembro de 2017

Novo diretor dos Correios tem ligação com contratada

29 AGO 2010Por 13h:30
     

        O presidente Luiz Inácio Lula da Silva demitiu no dia 28 de julho a cúpula dos Correios por temer que o fisiologismo partidário ampliasse a crise administrativa na estatal e respingasse na campanha eleitoral, mas a iniciativa pode ter sido infrutífera. O novo diretor de Operações dos Correios, Eduardo Artur Rodrigues da Silva, assume o cargo sob uma nuvem de suspeita.

        

        

        Conhecido no setor da carga aérea como "coronel Artur" ou "coronel Quaquá", ele chegou à estatal com o apoio do compadre de Lula, o advogado Roberto Teixeira. Presidia uma empresa de transporte de mala postal, a Master Top Linhas Aéreas (MTA). Vinte dias antes de ser escolhido para a função, a MTA arrematou o contrato de uma das principais linhas da estatal, a Linha 12, que opera no trecho Manaus-Brasília-São Paulo. A empresa, com sede em Campinas, venceu o pregão eletrônico com o lance de R$ 44,9 milhões.

        

        É uma linha estratégica nos negócios dos Correios - representa 13% do valor total da malha e 14% da capacidade de carga contratada. Ao assumir a diretoria nos Correios, no dia 2 de agosto, o coronel entregou o comando da MTA nas mãos de uma filha, Tatiana Silva Blanco. Com essa triangulação, a MTA tem agora a família Rodrigues da Silva como contratada e, ao mesmo tempo, contratante. Em site na internet, a MTA destaca que tenta ser uma "extensão" das empresas com as quais mantém parceria.

        

        O coronel Artur e o Planalto não responderam aos pedidos de informações. O escritório Teixeira, Martins & Advogados, em que atua Roberto Teixeira, enviou e-mail ao Estado negando indicação "de quem quer que seja para algum cargo público". O chefe do Departamento de Relacionamento Institucional dos Correios, Mário Renato Borges da Silva, disse desconhecer qualquer ligação do diretor de Operações com a Master Top, bem como a origem da indicação. "O corpo técnico da empresa não se envolve com isso, porque é indicação presidencial. Se houver alguma ligação (com a empresa aérea), foge da nossa capacidade", afirmou. Silva observou, porém, que a estatal espera "que tudo seja verificado".

         

        (Informações do Estadão)

Leia Também