Sábado, 25 de Novembro de 2017

Novo aterro terá sistema controlador de Biogás

4 AGO 2010Por 13h:10
     

Em vez de jogar na atmosfera o gás metano, a partir de seu funcionamento, o novo aterro sanitário de Campo Grande emitirá o gás carbônico corretamente tratado que é 21 vezes menos poluente. A apresentação do novo sistema foi acompanhada, na manhã desta quarta-feira (04.08) pelo prefeito Nelson Trad Filho e pelo titular da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano), Marcos Cristaldo.

A ordem de serviço para a execução dos trabalhos já foi dada pela Prefeitura de Campo Grande à Empresa Fama Air Technologies Ltda. O valor dos investimentos será de R$ 142.871,00 e a empresa fará a prestação de serviços técnicos de engenharia consultiva para a elaboração do Projeto Executivo do sistema de captação e queima de biogás, a ser implantado no novo aterro sanitário de Campo Grande.

Durante a abertura das apresentações dos trabalhos, o prefeito explicou que o tratamento correto do lixo e a obtenção dos créditos de carbono é uma das grandes lutas de sua administração. "Para que tudo isso aconteça, temos várias etapas para vencer. É um grande desafio e achei importante investir e, com a instalação desse sistema, temos a possibilidade de vender os créditos de carbono", frisou.

O diretor de engenharia da empresa Fama Air Technologies, William Tumani Marion ressaltou que o sistema diminui a formação de bolsão de gás e evita as explosões e queimas que acontecem atualmente. "O equipamento possui tecnologias de análise de gás, melhor combustão, retém as chamas dentro do queimador, segurança operacional e a chama não ilumina ao redor do queimador", disse.

A Promotora de Justiça do Meio Ambiente do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, Mara Cristiane Crisóstomo Bravo, disse que a instalação do sistema de captação e queima do biogás a ser implantado no aterro de Campo Grande está de acordo com as normas da Lei ambiental de resíduos sólidos da Presidência de República. "O sistema apresentado é bom. Ele tem a capacidade de transformar o gás metano em energia limpa", disse a promotora ao acrescentar que a segurança dos trabalhadores do aterro está garantida e não haverá mau cheiro no entorno do local.

        O titular da Semadur, Marcos Cristaldo disse que o MDL (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo) é um projeto complementar do novo aterro sanitário de Campo Grande e a empresa esta credenciada para executar todos os trabalhos. "Estamos antecipando mais uma etapa de execução dos trabalhos do aterro", comentou.

Leia Também