Sábado, 18 de Novembro de 2017

Nova Andradina e Caarapó reduzem atendimento dos órgão públicos

17 AGO 2010Por 09h:00
 Dourados

Mais duas prefeituras do sul do Estado adotaram medidas de contenção dos gastos, que incluem a diminuição do horário de atendimento ao contribuinte. Os prefeitos de Caarapó, Mateus Palma de Farias, e Gilberto Garcia, de Nova Andradina, estão preocupados com a queda na receita tributária e antes que ocorra o desequilíbrio financeiro eles se resguardaram.
Farias citou que decisão é por conta da queda dos repasses de recursos, especialmente  do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). “A arrecadação não está acompanhando nem os níveis do ano passado”, queixou-se o prefeito. “Então, é urgente que tomemos algumas medidas para reduzir as despesas, adequando as finanças municipais ao atual momento de dificuldade financeira que, esperamos, seja passageiro”, acrescentou.
O prefeito de Caarapó, cidade a 45 km de Dourados,  espera que a soma de pequenas economias – como água, energia elétrica, telefone e material de expediente, aliada a ações de aumento da arrecadação, possa se transformar na solução esperada para o equilíbrio financeiro.
Ele disse que, entre 2003 e 2008, registrou-se um aumento anual na receita do município superior a 15%. “De 2008 para 2009, essa tendência se inverteu, com uma queda de 5%. No primeiro semestre deste ano, a arrecadação também caiu, ao passo que as despesas aumentaram”, afirmou Farias.  
A primeira medida do prefeito de Caarapó foi a redução da jornada de trabalho, a partir de ontem, passando das 7h às 12h. Os setores da  Educação segue o seu calendário letivo e da Saúde com as ações planejadas. “A redução no horário de atendimento vale apenas para os setores administrativos”, esclareceu.
Em Nova Andradina, a 190 km de Dourados, todas as repartições municipais passaram a adotar expediente das 7h às 13h, e por prazo indeterminado. Justificou “que enquanto não houver equilíbrio nas despesas, não só com pessoal, mas também com as que incidem diariamente, como gastos com água, energia, telefone, combustível etc. e para tentar evitar medidas que poderão ser ainda mais desastrosas”,  o prefeito Gilberto Garcia formalizou as mediadas por decreto.
O decreto também especificou que não serão suspensas, as atividades consideradas essenciais, e as prestadas pela Secretaria de Saúde, que deverá manter em funcionamento os serviços emergenciais dos postos de saúde e o plantão de ambulância. Também estarão funcionando os serviços de limpeza pública, coleta de lixo e execução de obras. (CF)

Leia Também