Quinta, 23 de Novembro de 2017

NO RIO GRANDE DO NORTE - Praia de Pipa se divide entre a natureza e o crack

29 AGO 2010Por 17h:45
      Roberta Trindade - Repórter   O lugar é paradisíaco, o mar, o verde, as ruas estreitas, o jeito acolhedor da praia de Pipa envolve turistas e nativos. Caminhar pela orla marítima, tomar uma água de coco sentado na praça ou simplesmente ir à noite para a balada. Não tem quem não se apaixone pela região. Sem contar com o peixe frito, o camarão no alho e óleo, a cerveja gelada. Os turistas amam. Noruegueses, americanos, italianos, espanhóis. Eles chegam e logo estão adaptados ao meio, mas não é só de alegrias que vive este lugar  cheio de encantos. Quem escolhe Pipa para passar férias ou para morar tem que conviver com o ?mal do século? - o tráfico de drogas. A reportagem da Tribuna do Norte esteve em Pipa e todos os entrevistados possuem a mesma opinião. O problema da localidade foi detectado como sendo uma pedrinha branca que até parece inofensiva, mas que causa um mal gigantesco a toda sociedade ? o crack. Na praia de Pipa circula o panfleto: ?Violência em Pipa e em Tibau do Sul?. Quem escreveu e distribuiu para a população, sem dúvida queria protestar. Em um dos parágrafos consta a seguinte frase: No prazo de um ano foram assassinados na praia de Pipa três turistas. Um sueco, um alemão e agora (23 de agosto) uma portuguesa.  Onde estão os assassinos? A passividade da população é incrível. Ninguém protesta. Ninguém faz nada!        Ana Lúcia Dias Marinho, 26 é nativa e trabalha como domestica. Ela afirma que a situação de Pipa é preocupante por causa do tráfico que ocorre diariamente. Quem quer maconha, crack ou até cocaína consegue facilmente sem ter que gastar a sola da sandália. É muito fácil encontrar quem indica o lugar ou a pessoa certa para vender o entorpecente. Pontos de drogas não faltam. ?O problema é que a polícia prende os traficantes em um dia e solta no outro?. Para Raissa Penner,19, vendedora, a situação é gravíssima. ?Sem dúvidas, o que estraga a região é mesmo o crack. A polícia não dá conta?. Guido Penner, 45 pai de Raissa vai mais fundo e acredita que existe solução para o problema. ?Se  tivesse um trabalho verdadeiro da polícia, não seria desta forma?. Para Guido que conhece boa parte do país e já morou na Itália falta iniciativa. Vontade política para que o problema do tráfico de drogas seja exterminado na região. Já para o gerente de restaurante João Batista de Melo todo mundo sabe onde vende droga. ?Durante a noite é muito pior. Os turistas se envolvem com drogados porque querem o crack, a maconha, mas depois ocorre o pior. São assaltados. Quem procura acha mesmo?. João conta que todos os dias caminha cerca de dois quilômetros para chegar até o trabalho e nunca foi assaltado. ?Só tem assalto porque tem o crack?.         

Leia Também