Terça, 21 de Novembro de 2017

No País, liberação de verba foi superior em 238%

8 AGO 2010Por 09h:12
No País, segundo levantamento da entidade civil Contas Abertas, em 2010, o salto no repasse de recursos federais, em comparação a janeiro e julho de 2009, foi de 238%. De acordo com a entidade, o aumento ocorre para amenizar a “seca” no processo eleitoral, quando são proibidos repasses nos três meses que antecedem o pleito. Por isso, os órgãos públicos federais aceleram, sempre em ano eleitoral, os empenhos (reservas orçamentárias para futuro pagamento) nos primeiros meses do ano.
Em 2002, ano de eleições gerais, o Governo federal empenhou a municípios, entre janeiro e julho, um total de 1,6 bilhão para investimentos (execução de obras e compra de equipamentos); valor seis vezes maior do que o comprometido no mesmo período do ano anterior.
Em 2004, ano de eleições municipais, a situação foi semelhante. A União reservou pouco mais de R$ 1,6 bilhão aos municípios nos primeiros sete meses, quantia 11 vezes superior ao empenhado no mesmo período do exercício passado. Já em 2006, ano em que Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, ganhou a disputa de Geraldo Alckmin (PSDB), a administração federal empenhou R$ 3,9 bilhões entre janeiro e julho, ou seja, 564% mais do que em igual período de 2005.
Em 2008, quando mais de 5,5 mil prefeitos foram eleitos em todo o País, o governo federal comprometeu oito vezes mais recursos para municípios executarem obras e comprarem equipamentos, nos primeiros sete meses, do que em 2007.

Leia Também