Segunda, 20 de Novembro de 2017

Nelsinho vai percorrer MS para pavimentar candidatura

27 MAR 2010Por 04h:30
Assim que deixar a Prefeitura de Campo Grande, o prefeito Nelsinho Trad (PMDB), vai começar a percorrer o Estado para pavimentar sua candidatura ao Governo de Mato Grosso do Sul e pode assumir secretaria em um eventual segundo mandato do governador André Puccinelli (PMDB). Se reeleito no pleito de outubro, o governador prometeu encerrar sua carreira política em 2014 e apoiar Nelsinho para lhe suceder e a prefeita de Três Lagoas, Simone Tebet (PMDB), para o Senado. Ontem, p or te le fone, antes de iniciar entrevista, o prefeito da Capita l fez questão de demonstrar sua satisfação com o anúncio de Puccinelli de apoiá-lo para a sucessão estadual, em 2014. “Não tem como não ficar lisonjeado”, comentou. “Agora, preciso continuar fazendo meu trabalho, cada vez melhor para conquistar mais aprovação popular”, completou. Em 2012, quando deixar o comando da prefeitura, Nelsinho planeja começar a construir sua pré-candidatura ao governo. “Assim que acabar meu mandato, vou estudar o Estado para conhecer as particularidades de cada região”, revelou. Paralelamente, ele quer voltar a exercer atividades em seu consultório médico. Ao ser indagado sobre a possibilidade de assumir uma secretaria em eventual segundo mandato do atual governador, o prefeito deixou escapar que o assunto já foi ventilado, mas se apressou em explicar que a decisão cabe a Puccinelli. “Essa pergunta você deve fazer ao governador, pois fica chato eu falar por ele”, esclareceu. Nos bastidores políticos, a hipótese é considerada praticamente como certa. Outro ponto que Nelsinho fez questão de frisar se refere ao seu bom relacionamento com Simone Tebet. “Sempre disse que nunca iria ter malestar entre a gente. Temos uma ligação muito forte”, garantiu. A declaração leva em conta a escolha da prefeita de Três Lagoas como vice de Puccinelli e a hipótese de ela ser escalada para suceder o governador em 2014, caso ele for reeleito neste ano. Mas o governador acabou com esta dúvida ao determinar o espaço de cada um daqui a oito anos. Eleições 2010 Nelsinho ainda se comprometeu a “entrar de cabeça” na campanha de Puccinelli em busca da reeleição. “Na prefeitura, meu compromisso será das 8h às 17h. Depois, vou para a rua pedir votos para o André”, disse. Recentemente, o prefeito também deu declarações de apoio irrestrito à candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), a presidente da República. O anúncio chegou a causar mal-estar em alguns segmentos do PMDB, levando em conta o fato de o governador ainda estar indefinido na sucessão presidencial. A chiadeira aconteceu porque, se Nelsinho ficar com Dilma, pode figurar em palanque oposto, caso Puccinelli anuncie apoio ao candidato do PSDB na eleição nacional. “Não podemos especular sobre os desdobramentos disso agora”, afirmou o prefeito da Capital. “Especulações na hora errada podem prejudicar”, acrescentou. “No momento certo, vou me manifestar, mas minha prioridade é a reeleição do André”, concluiu.

Leia Também