Sábado, 18 de Novembro de 2017

Nelsinho diz que vai brigar para disputar o Governo

13 FEV 2010Por 07h:44
O prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), assegurou ontem que fará o máximo para ser candidato ao Governo do Estado em 2014. Explicou que, para isso, precisará estar correspondendo às expectativas da população em relação ao seu trabalho na administração da Capital. “Eu acredito nas pesquisas, no meu trabalho”, disse. “Vou fazer o máximo para estar forte”, frisou, referindo-se à eleição de 2014. “Isso depende desde já do meu trabalho como prefeito e de estar bem com a população”, arrematou. As declarações do prefeito foram feitas depois de ato de entrega de casas populares na Vila Maciel. Questionado sobre a prefeita de Três Lagoas, Simone Tebet, que também desponta dentre as nova lideranças peemedebistas, Nelsinho voltou a dizer que não considera a colega uma ameaça. O prefeito repetiu o que havia dito na segunda- feira (8) quando defendeu Simone como candidata a vice-governadora na chapa a ser encabeçada neste ano pelo governador André Puccinelli, ou seja, classificou a prefeita como “excelente quadro” e disse que se fosse ele candidato ao Governo a escolheria “como minha vice”. No dia 5 deste mês, em visita a Três Lagoas, Puccinelli declarou que depende apenas da prefeita da cidade a decisão de integrar sua chapa. Afirmou, na ocasião, que Simone “só não vai ser minha vice se ela não quiser”. Disse ainda que a correligionária pode ser candidata ao Senado, se for desejo dela, mas que a prefere como vice. Embora o governador tenha dito não haver impedimento para Simone disputar o Senado, a própria prefeita declarou não haver possibilidade neste sentido porque não se inscreveu para as prévias do partido que estão sendo disputadas pelo senador Valter Pereira e pelo deputado federal Waldemir Moka. Ontem, em Dourados, o governador, ao lado do vice Murilo Zauith (DEM), repetiu que uma das candidaturas a senador na chapa será destinada a partido aliado. Se o PMDB resolver lançar dois candidatos, as candidaturas legalmente protocoladas no partido são as de Valter e Moka. Para haver outro nome só se um dos dois forem convencidos a desistir. Ontem, durante a entrega de casas na periferia de Campo Grande, Nelsinho Trad pegou uma das crianças presentes no colo e foi questionado se poderia disputar o Senado ainda neste ano. Respondeu que “quando político começa a pegar criança no colo pode ser que saia candidato”. Depois, Nelsinho deixou claro que só brincou com a situação e disse que, como Simone, também não está inscrito como candidato às prévias no partido.

Leia Também