Domingo, 19 de Novembro de 2017

Nelsinho confirma apoio a Dilma

27 JAN 2010Por LIDIANE KOBER07h:39
O prefeito Nelsinho Trad (PMDB) confirmou ontem o apoio à candidatura da ministra Dilma Rousseff (PT) a presidente da República. A decisão vai colocá-lo do lado oposto de tradicionais aliados, como a senadora Marisa Serrano (PSDB), e pode ir contra os interesses do governador André Puccinelli (PMDB), levando em conta a tendência de ele ficar do lado do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), na batalha pela sucessão presidencial. O plano de Nelsinho é conciliar o apoio à reeleição de Puccinelli com a eleição de Dilma e ainda manter a parceria com antigos aliados, como o PSDB. Ele fez questão de ressaltar sua prioridade de ajudar a conquistar mais um mandato para o atual governador, mas nem por isso pensa em seguir o rumo de Puccinelli na disputa pela sucessão presidencial. “A minha prioridade é a reeleição do André; essa, eu vou estar na linha de frente. A questão da eleição presidencial é uma outra história”, explicou. Segundo o prefeito, não é possível deixar de apoiar a candidatura da ministra, levando em conta os investimentos do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em Campo Grande. “Não vou contra (a candidatura de Dilma) em função da minha lealdade àqueles que estão me ajudando”, declarou ontem, durante a apresentação da casa, que será o grande prêmio do programa “IPTU dá prêmios”, no Bairro Monte Castelo. Nelsinho informou que, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), quatro grandes obras serão feitas na Capital. Ele indicou 60% dos empreendimentos já estão em execução – índice três vezes maior, em comparação com o andamento das obras nas demais cidades do País. O prefeito não soube informar a totalidade de dinheiro que governo federal repassou para Campo Grande desde que está à frente da administração, mas garantiu que “é uma fatia considerável”. Só neste mês, o Planalto liberou R$ 55 milhões para aplicar em mobilidade urbana e mais R$ 8 milhões para investir em pavimentação asfáltica e combate a enchentes. De tão satisfeito com a gestão do atual presidente, Nelsinho até fez piada, quando elencava obras em Campo Grande. “Nós construímos 11 creches. Ninguém na história desta cidade – você vê que já estou parecido com ele (Lula) – ninguém na história desta cidade construiu como eu”, disse. “Já tentei deixar a barba crescer, só que eu não consigo ter barba”, brincou. Da mesma forma que o prefeito, o governador recebeu recursos recorde do Planalto, porém, a tendência é de ele ficar do lado dos tucanos na disputa pela sucessão presidencial. Puccinelli já avisou que não subirá no palanque de Dilma, caso o ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) entre na disputa pelo Governo do Estado. “Quem tem a responsabilidade de uma administração e é ajudado, como está sendo por este governo, vai ser difícil ficar contra”, opinou Nelsinho. No entanto, ele não pensa em subir no mesmo palanque de José Orcírio, no qual Dilma estará presente. Para o prefeito, existem outras formas de ajudar na campanha da ministra. Relação com aliados Ao ser questionado sobre a possibilidade de o apoio a Dilma abalar a parceria de anos com os tucanos, Nelsinho afirmou acreditar na continuidade da aliança. Inclusive, ele já conversou com a senadora Marisa Serrano e não observou sentimento de mágoa por parte da parlamentar. “Em relação a mim, não. Demonstrou (mágoa) em relação a outros acontecimentos”, contou, sem dar mais detalhes. Mesmo assim, o prefeito quer conversar mais com a senadora. “Eu me dou muito bem com ela. Ela foi minha vice, andei por esta cidade toda com a Marisa e vou ter uma conversa esta semana, até mesmo para explicar o meu posicionamento e mostrar a forma que eu sempre procedi”, disse

Leia Também