Segunda, 20 de Novembro de 2017

"Não tenho mais ilusão. Questões dos estados prevalecem em eleições", diz Lula

22 NOV 2009Por 14h:15
     

        Da redação

        O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste domingo (22), após votar na eleição do PT, que não tem ?mais ilusão? com a possibilidade de o projeto nacional do partido sobressair em relação às questões estaduais no que diz respeito à formação de alianças.

        ?Eu não tenho mais ilusão quando se trata de disputas locais, por mais que a gente oriente as pessoas de que o que deve prevalecer é o projeto nacional, normalmente o que tem acontecido é que cada um olha para o seu umbigo e prevalecem as questões dos estados?, afirmou.

        A declaração foi feita em referência às disputas regionais entre partidos da base aliada do governo federal. Lula declarou também esperar que a possível candidata do PT a sua sucessão nas eleições de 2010, a ministra Dilma Rousseff, tenha mais de um palanque nos estados em que partidos aliados tenham mais de um candidato ao governo estadual.

        ?O que é importante é que se houver divergências dentro da base aliada nos estados, que isso não seja impeditivo, para mim. [A ideia é a de] Dilma ter dois ou mais candidatos apoiando sua candidatura?, disse Lula.

        ?Na prática, você não tem como fazer dois discursos pedindo voto para dois candidatos diferentes. Eu penso que as pessoas podem apoiar. Tivemos experiência em Pernambuco, quando [houve] dois candidatos a governador no mesmo palanque. O resultado foi sucesso extraordinário?, completou Lula, referindo-se ao pleito de 2006, no qual contou com o apoio de dois candidatos rivais na disputa pelo governo pernambucano.

        A ministra Dilma também alertou sobre a necessidade de se levar em conta, no momento da formação das alianças, as realidades locais. "Eu sempre acho que não pode ser fundamentalista. Tem essa ótica nacional que ela sobrepõe necessariamente, mas há de se levar em conta as realidades locais porque os interesses locais são legítimos", disse.

        A petista acrescentou que, se os interesses locais vão prevalecer ou não, espera "que seja uma decisão não da instância nacional ou da instância estadual, mas de um congresso acima tanto do nacional quanto do local".

        Também na sede do Diretório Nacional do PT, o presidente nacional do partido, deputado Ricardo Berzoini (SP), disse que, apesar das dificuldades regionais para a formação de alianças com o PMDB, o objetivo do PT é aumentar as parcerias estaduais entre as legedas.
        "Desde o começo da conversa com o PMDB há uma consciência dos dois partidos de que é impossível ter alianças nos 27 estados. Nosso objetivo agora, trabalhando as conversas com os nossos diretórios nacionais e com o PMDB, é aumentar o máximo o número de estados com alianças", disse Berzoini. (informações do G1)

Leia Também