Sexta, 24 de Novembro de 2017

'Não tenho dúvida de que vão tentar de novo', diz presidente do TRE-SE

19 AGO 2010Por 14h:30
     

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE-SE), Luiz Antônio Mendonça, disse nesta quinta-feira (19) não ter dúvida de que será alvo de nova tentativa de assassinato. O desembargador conversou com a reportagem do G1 na presidência do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ-SE) e afirmou que, apesar da violência do atentado, ainda precisa avaliar a necessidade de reforçar a própria segurança.

"Fui pego de surpresa, mas não tenho dúvida de que vão tentar de novo. Mas eu não tenho medo por mim. Tenho medo pela minha esposa e meus três filhos. Vamos avaliar com calma e tranquilidade.A segurança pode ser feita de forma velada e discreta", disse Mendonça. O desembargador é marido da procuradora-geral de Justiça de Sergipe, Maria Cristina Mendonça.

Na manhã de quarta-feira (18), Maria Cristina Mendonça estava em outro carro oficial, à frente do carro do marido, quando ele foi atingido por 37 tiros de armas calibre 12 e .380. Sem ferimentos aparentes, o desembargador conta que está bem disposto, apesar de ter sido atingido por pedaços de vidros e estilhaços de bala que ficaram sob a pele e o couro cabeludo.

Depois que cessaram os disparos, Mendonça conta que desceu do carro e foi socorrido por uma motorista que o reconheceu e ofereceu ajuda. O desembargador afirma que andar cercado por seguranças é um "desconforto".

Um dia após a tentativa de assassinato, ele saiu de casa sem colete à prova de balas, no horário habitual, por volta das 8h30, e percorreu o mesmo caminho até o TJ-SE em um carro sem blindagem, acompanhado apenas por um motorista.

"Esse atentado representa que a Justiça está sendo atingida, a cidadania está sendo atingida e também a esperança do povo de mudanças está sendo fragilizada quando aqueles que têm a difícil missão de julgar sofrem uma tentativa de assassinato. Isso promove insegurança", disse o desembargador.

Ex-promotor de Justiça e secretário estadual de Segurança durante o governo de João Alves (DEM), o presidente do TRE quer acompanhar as investigações. Na próxima semana, ele pretende se reunir, em Brasília, com o diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa.

"Pela amizade que a polícia local tem comigo, vão me manter informado sobre as investigações. Também vou discutir o assunto com a Polícia Federal", afirmou.

O desembargador também preside a Câmara Criminal do TJ-SE e afirmou que fará um levantamento dos casos julgados pela Câmara para ajudar nas investigações.

"Temos feito um trabalho com rigidez no combate ao tráfico de drogas. Pode ser que alguém não tenha gostado das condenações que fizemos", disse.

Sobre a possibilidade de requisitar reforço de forças federais para assegurar a segurança das eleições em Sergipe, o presidente do TRE afirmou que o estado tem um efetivo policial suficiente para garantir uma votação pacífica.

"Se fossem eleições para prefeito talvez fosse necessário requisitar ajuda para os municípios de Canindé de São Francisco e Itaporanga. Mas, neste momento, os governantes dessas cidades são pessoas de bem", avaliou o desembargador.

 

Leia Também