Segunda, 20 de Novembro de 2017

MS já registra mais adoções de crianças do que em 2009

26 MAI 2010Por 08h:38
Silvia Tada

Mato Grosso do Sul registra, neste ano, aumento nas adoções. Onze crianças foram adotadas nos primeiros cinco meses de 2010, enquanto em 2009 foram oito menores que ganharam nova família, conforme dados do Cadastro Nacional de Adoção, se comparados os dados mês a mês. No Brasil, o número de processos concretizados, de janeiro a maio, chega a 72 — quase o total alcançado durante o ano anterior, que foi de 90. Os estados com maior número de adoções, em 2010, são o Rio Grande do Sul e São Paulo, com 27 e 14 casos, respectivamente.
Apesar de a nova Lei da Adoção, que entrou em vigor no fim do ano passado, prever que o tempo máximo de permanência de crianças nos abrigos deve ser de dois anos, na prática a medida não funciona. Na análise do desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul Joenildo de Sousa Chaves, que é presidente da Associação Brasileira dos Magistrados da Infância e da Juventude (Abraminj), a legislação “não trouxe grandes e significativas mudanças” e poderia avançar mais.
“Existem leis maravilhosas, mas não dá condições para executá-la. Vencido o prazo de dois anos, a criança terá de permanecer nos abrigos, pois não há como tirá-las do local”, afirmou o desembargador, durante o lançamento do XV Encontro Nacional de Adoção (Enapa), que acontece de 3 a 5 de junho, em Campo Grande.
Durante o Enapa, os organizadores pretendem esclarecer à sociedade que adotar é um ato de amor e desmitificar que a criança em abrigo cometeu algum crime.

Leia Também