Sábado, 18 de Novembro de 2017

MS entra em sua última semana de vacinação contra a pólio a partir de hoje

30 AGO 2010Por 10h:30
     

A segunda etapa de vacinação contra a poliomielite entra em sua última semana em Mato Grosso do Sul a partir desta segunda-feira (30). De acordo com a Coordenadoria de Imunização, vinculada à Secretaria Estadual de Saúde, a prorrogação do prazo acontece em municípios que ainda não atingiram a meta de 95% da população imunizada. Mato Grosso do Sul atingiu até o momento 88,5% de imunização.

De acordo com a diretoria estadual de Vigilância de Saúde, a prorrogação constante da campanha pode comprometer a eficácia da vacinação, que consiste em atingir a meta de imunização no menor período de tempo.

A Secretaria de Saúde pede para que os municípios se empenhem nas campanhas de vacinação para que a eficácia da imunização não seja comprometida.

Público alvo

Durante a campanha nacional, devem ser vacinadas todas as crianças na faixa etária de zero a quatro anos, 11 meses e 29 dias, ou seja, menores de cinco anos.

Recém-nascidos

Parte significativa dos municípios envia equipes de vacinadores aos hospitais e maternidades para imunizar os recém-nascidos. Quando isso não ocorre os pais devem levar os bebês ao posto de vacinação mais próximo assim que a criança receber alta.

Idade limite

Quem tem cinco anos completos não precisa tomar a vacina, porque a concentração maior de poliomielite é na faixa etária menor de cinco anos, a faixa de maior risco.

Primeira dose

Quem tomou a primeira dose da campanha 2010, em junho, deve tomar a segunda agora. A exceção é a criança que completou cinco anos após a primeira etapa da campanha.

Vacina em dia

Mesmo a criança que tomou todas as doses de rotina mais o reforço deve participar da campanha. Essa vacinação é fundamental, porque quando todas as crianças são vacinadas elas liberam no meio ambiente o vírus vacinal, o que possibilita formar uma imunidade de grupo, uma proteção coletiva. O vírus que ela libera ajuda a proteger a família, os amigos, enfim, todos os que convivem com a criança. Os vírus são liberados por meio de gotículas de saliva ao tossir, espirrar, alem de urina e das fezes.

Erradicada

Mesmo a poliomielite estando erradicada no Brasil, com certificação da Organização Mundial de Saúde (OMS), é preciso vacinar as crianças. Atualmente as ações do Programa Nacional de Imunizações com a vacina oral poliomielite (VOP) estão voltadas para a prevenção da reintrodução do poliovírus selvagem no País. Enquanto houver circulação desse vírus em qualquer região do mundo, o risco de importação de casos provenientes de países endêmicos justifica a continuidade da vacinação. De acordo com dados de maio da OMS, são países endêmicos o Paquistão, a Índia, a Nigéria e Afeganistão.

Contra Indicação

Não há contraindicação absoluta à administração da vacina oral contra a poliomielite. Mas é importante evitar a vacinação de crianças com as seguintes características e condições:

- Portadoras de infecções agudas, com febre acima de 38 graus;

- Com hipersensibilidade conhecida a algum componente da vacina, a exemplo da estreptomicina ou eritromicina;

- Que no passado apresentaram qualquer reação anormal a essa vacina;

- Imunologicamente deficientes devido a tratamento de imunossupressores ou de outra forma adquirida, ou ainda com deficiência imunológica congênita;

- Com história de paralisia flácida associada à vacina, após dose anterior da vacina poliomielite oral.

Em todo Mato Grosso do Sul, os postos fixos e volantes de vacinação estarão abertos das 7 às 17 horas para a campanha.

        

Leia Também