Sexta, 24 de Novembro de 2017

Morte de estudante não vai prejudicar projeto Escola Viva

23 MAR 2010Por 08h:43
O Projeto “Escola Aberta, Escola Viva” não será suspenso, mas diretoria da Escola Municipal Plínio Barbosa Martins, onde o estudante Nailton Martins de Lima, de 17 anos, foi assassinado por outro adolescente, na tarde de sábado, garante que vai repensar um esquema de segurança. Helen a Ba rbosa Ma ndruzzato, diretora da escola desde 2005, admite que, nos fins de semana, não há controle da entrada e da saída de pessoas da escola. “Como o nome do projeto já diz, no sábado, a escola fica aberta para a comunidade. Temos 24 horas, a guarda municipal que faz segurança patrimonial, mas policiamento não acontece o tempo todo”. A diretora afirma que vai pedir reforço da segurança da escola e também vai repensar nos critérios de seleção dos participantes do projeto Escola Viva. “Até sábado passado, as atividades na escola funcionavam muito bem, mas a gente ainda vai se reunir com a Secretaria Municipal de Educação (Semed) para saber que providências tomar”. Helena ressalta que casos como o do assassinato de Nailton Elber Martins, nunca havia acontecido antes. “Nunca tivemos problemas nem com vandalismo e o comportamento dos alunos até melhorou depois que implantamos o Escola Viva aqui. A única certeza é que o projeto não irá acabar”. Para a secretária municipal de educação, Maria Cecília Amendola da Motta, o homicídio do adolescente foi um “caso isolado”. “Vamos nos reunir com a diretoria e conselho da escola, mas, a princípio, não há o que a secretaria fazer. Pedir policiamento nós sempre pedimos, mas ao meu ver, mesmo que a polícia estivesse dentro da escola no momento em que o garoto do Jardim Macaúbas atirou no nosso aluno, o crime teria acontecido do mesmo jeito”. Projeto O “Escola Aberta, Escola Viva” é desenvolvido desde 2005 pela Semed e, hoje, é realizado em 54 das 98 escolas do município. Em cada uma delas, são realizadas de 10 a 15 oficinas e atividade recreativas. O objetivo do projeto é justamente reduzir os casos de violência entre os adolescentes.

Leia Também