Quarta, 22 de Novembro de 2017

Moradores de condomínio vão pagar perícia

7 MAR 2010Por 00h:29
Uma semana depois de ver ruir parte da área de lazer com a força da água do Córrego Prosa, moradores e proprietários de apartamentos do condomínio Cachoeirinha II decidiram ontem, em assembleia, depositar o valor de R$ 25 mil para realização de perícia técnica para avaliação de danos nos prédios. O montante será retirado do fundo de reserva do conjunto. “A nossa preocupação é com a segurança dos moradores. Ninguém está tranquilo com a situação, pois não sabemos se há risco ou não”, explicou o síndico Rodrigo Fernandes. A determinação da apresentação do laudo técnico foi feita pelo juiz da 2ª Vara de Fazenda Pública de Campo Grande, Ricardo Galbiati, após o advogado dos moradores ingressar com pedido de medida cautelar de produção antecipada de provas. Essa ação pode embasar um futuro pedido de indenização contra a Prefeitura de Campo Grande. Os moradores questionam se foram tomadas medidas para que a força da água não danificasse a estrutura do imóvel. Rachaduras Uma condômina relatou o aparecimento de rachadura em seu apartamento, localizado no bloco J, justamente o mais próximo da área afetada. Parte do muro desabou após o Córrego Prosa transbordar, no encontro com a Avenida Ricardo Brandão, durante a tromba d’água do último dia 27 de fevereiro. Representante da Defesa Civil municipal, Sebastião Rayol, também participou da reunião, realizada na tarde de ontem, e apresentou resultado da vistoria realizada na sextafeira passada. “Repassamos a avaliação de danos feita. Foi constatado dano na quadra esportiva, no playground, na churrasqueira”, adiantou. Liberação Por outro lado, segundo as informações da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), hoje a pista da Avenida Ricardo Brandão, no sentido centro-bairro, passará por pintura da sinalização e vistoria. A previsão é de que a via seja liberada para o tráfego de veículos já na segunda- feira.

Leia Também