Quinta, 23 de Novembro de 2017

Marisa diz que a possibilidade de disputar o Governo hoje é de 100%

20 JAN 2010Por 04h:29
A senadora Marisa Serrano (PDSB) retornou das férias disposta a disputar o Governo do Estado. Afirma que, como o governador André Puccinelli (PMDB) adiou as conversações com aliados sobre a chapa para sua reeleição, a agenda política do Bloco Democrático Reformista que une seu partido ao DEM e ao PPS será visando candidatura própria neste início de ano eleitoral. Questionada pelo Correio do Estado sobre a possibilidade, hoje, de ser candidata a governadora, numa escala de zero a dez, respondeu “dez”, ou seja, de 100%. A disposição de Marisa reflete a insatisfação do Bloco ante a indefinição do governador sobre alianças. Lideranças dos três partidos não exibem disposição de esperar até às vésperas das convenções. E já amadurecem a idéia de candidatura própria como terceira via para enfrentar Puccinelli e o ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos, contra quem Marisa, em 2002, levou as eleições para o segundo turno. A tucana salienta que o grupo continua aliado do atual Governo, mas prepara sua agenda político-eleitoral independente do PMDB. “Temos parceria com o PMDB e é possível que essa aliança continue. Mas também é possível que não”, pondera. “As convenções serão em junho. Até lá tem muita água pra rolar”, frisa. Marisa afirma que as três siglas não esperam o PMDB sem tomar posição. Diz que, desde o primeiro semestre de 2009, quando o BDR foi lançado em nível estadual com o compromisso de união em torno da candidatura do PSDB à Presidência da República, ficou acertado que essa parceria seria também para as eleições estaduais em 2010. Inclusive, para disputar o Governo estadual. “No ano passado percorremos o Estado reunindo prefeitos, vereadores, presidentes de diretórios e demais lideranças, dando a certeza de que estaríamos juntos em 2010. Hoje ninguém duvida disso”, afirmou. “Para este ano, a agenda é diferente. Vamos começar a trabalhar já com a possibilidade de candidatura própria.” Essa agenda prevê dois encontros, já em fevereiro. Um entre as lideranças estaduais do bloco com o governador paulista e presidenciável tucano José Serra, em fevereiro. Pretende ainda reunir lideranças de todo o Estado em Campo Grande. Para isso, diz já ter aval do presidente do PSDB, Reinaldo Azambuja, para convidar as lideranças tucanas e está pedindo o posicionamento dos presidentes dos demais partidos do bloco – o vice-governador Murilo Zauith, do DEM; e o secretário de Cultura de Campo Grande, Athayde Nery, do PPS – para reunir os 14 prefeitos, vereadores e presidentes municipais na Capital. “Estamos fortalecendo o BDR com perspectiva de ter candidatura própria” assegura Marisa, afirmando que os três partidos, embora aliados, têm vida própria. “Nunca ficamos esperando pelo PMDB. Fizemos nosso planejamento há quase um ano”, frisa. O bloco sinaliza que não tem mais tempo a perder. Pelo PPS, Nery considera que, quanto mais adiar a indefinição, menos força o bloco terá para se colocar como terceira via.

Leia Também