Sábado, 18 de Novembro de 2017

Lula pede aos ministros para não criar problemas a Dilma

5 ABR 2010Por 22h:13
Brasília

A reunião ministerial marcada para hoje, primeira do ano para onze ministros recém-empossados, será a oportunidade de o presidente Lula estimular e advertir a todos sobre a política de governo que está a nove meses do fim. No mesmo discurso em que deve instigar os ministros a trabalharem mais do que os respectivos antecessores, o presidente pretende pedir a todos que tenham cuidado com os discursos e ações para não criarem problemas ao governo e à pré-candidata oficial, Dilma Rousseff.

Na última quarta-feira, em discurso durante cerimônia de posse de dez dos onze novos ministros, Lula deu o tom de como será a conversa da reunião ministerial, marcada para hoje, às 9h, na Granja do Torto. O presidente ressaltou que os nove meses que restam a este mandato são o único e pouco tempo que cada um terá frente aos ministérios para “construir a passagem” pelo governo. “Significa que vocês vão ter que trabalhar mais do que os companheiros que saíram. Vocês vão ter que realizar mais, sem poder inventar nada novo, porque nós não estamos na época de pensar em um novo programa”, disse Lula, para incentivar a nova equipe a trabalhar com afinco para colocarem os antecessores “no chinelo”.

Os novos ministros são: Erenice Guerra (Casa Civil), Márcio Zimmermann (Minas e Energia), Izabella Teixeira (Meio Ambiente), João Santana (Integração Nacional), Wagner Rossi (Agricultura), Elói Ferreira (Secretaria Especial de Políticas e Promoção da Igualdade Racial), Márcia Lopes (Desenvolvimento Social), José Artur (Comunicações), Paulo Passos (Transportes) e Carlos Gabas Previdência Social). Também participa da reunião como novo ministro Luiz Paulo Barreto, no lugar de Tarso Genro, que deixou o ministério da Justiça em fevereiro.

Lula deve ouvir de cada ministro uma rápida explanação sobre os programas em andamento das pastas que estão assumindo. Erenice Guerra assume a vaga de Dilma Rousseff, mas quem coordenará, daqui para frente, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o carro-chefe do governo, será a petista Miriam Belchior.

Na pasta de Minas e Energia, Márcio Zimmermann terá pela frente o leilão de concessão da Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (PA), marcada para o próximo dia 20. Os investimentos em energia representam um terço do PAC 2, lançado na semana passada
O desafio para José Artur, de Comunicações, será coordenar o Plano Nacional de Banda Larga, com expectativa de ser lançado ainda em abril.
Durante a reunião, também deve ser entregue aos ministros, a Cartilha de Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais nas Eleições de 2010.

Somado à cartilha, a recomendação para que os membros do governo estejam atentos às regras ali escrita para não criar problemas para o governo e sua candidata deve ser enfatizada pelo presidente. O texto, compilado pela Advocacia-Geral da União, lista ações proibidas pela Justiça Eleitoral a agentes públicos nos três meses que antecedem o pleito, como aumento de despesas de publicidade, e veiculação de campanhas publicitárias de obras e programas constando nomes ou imagens que caracterizam promoção pessoal. A cartilha estabelece ainda que a ex-ministra Dilma Rousseff pode, sim, participar de qualquer evento com a presença do presidente Lula, mas só até junho.

Leia Também