Sexta, 24 de Novembro de 2017

Linguagem difícil

13 FEV 2010Por FREI VENILDO TREVIZAN07h:44
A grandeza do ser humano depende do sentido que souber dar aos acontecimentos que o envolvem a tal ponto que lhe favoreçam realizar algo que expresse conhecimento e competência. Nem todos possuem o mesmo poder, a mesma oportunidade e os mesmos meios. Cada qual se define e se projeta na proporção de suas capacidades. A linguagem humana enaltece justamente os que forem bem-sucedidos. Tradicionalmente chega a estabelecer uma divisão implacável entre ricos e pobres, entre letrados e analfabetos e entre poderosos e povo humilde. Essa maneira de conceituar causará consequentemente enormes barreiras sociais, culturais, econômicas e religiosas. Enquanto a sociedade enaltece os mais, o Mestre dos mestres vem e enaltece os menos. E será difícil convencer os que têm mais a partilharem com os que têm menos. É difícil fazer com que os que sabem mais desçam de seu pedestal e se aproximem dos que sabem menos e os incentivem a crescerem. É difícil fazer com que os detentores do poder se desfaçam do orgulho e se coloquem como humildes servidores do povo. A linguagem humana está muito longe da linguagem divina. Os conceitos dos homens estão muito aquém dos conceitos de Deus. Por isso aquilo que o Mestre diz é profundamente desafiante. Ele mostra que felizes são os pobres, os que passam fome, os que choram, os que sofrem perseguições, calúnias e condenações por estarem comprometidos com a justiça e com a verdade. Para esses promete uma alegria e uma felicidade que nenhum outro provará. E dirigindo-se aos que a sociedade considera os mais favorecidos pela sorte usa de uma linguagem dura e ameaçadora: “Ai de vocês, os ricos, porque já têm a sua consolação! Ai de vocês, que agora têm fartura, porque vão passar fome! Ai de vocês que agora riem, porque vão ficar aflitos e vão chorar! Ai de vocês, se todos os elogiam, porque era assim que os antepassados deles trataram os falsos profetas” (Lc.6,24-26) Essa é uma linguagem difícil de entender e de aceitar. Ele não quer apenas consolar os pobres, os famintos, os que choram e os que sofrem calúnias e perseguições. Não quer que se conformem com a situação em que se encontram. Também não quer simplesmente condenar os ricos por serem ricos, nem os detentores do poder e da ciência. Ele quer mostrar que, para salvar o pobre, é preciso converter o rico. Para libertar os analfabetos é preciso convencer os letrados a se doarem. E para promover o povo humilde é preciso conscientizar os que se encontram no poder a trabalharem com o povo e pelo povo. O Mestre fala num tom ameaçador para tocar o coração frio e calculista, para abrir as mentes orgulhosas e prepotentes. Convoca a todos serem mais humanos e mais humildes. Alerta para não continuarem no caminho em que se encontram, mas tomem o caminho da solidariedade e da partilha. Caso contrário eles mesmos se condenarão. Deus é sempre misericórdia. Não tem pressa. Simplesmente coloca pelo caminho fatos e sinais que possam auxiliar na conversão do coração e na mudança do modo de pensar e de conviver.

Leia Também