Sexta, 24 de Novembro de 2017

Limite na BR-267 passará a 100 km/h

15 ABR 2010Por 03h:14
Flávio Paes

Ainda este ano  os motoristas que viajarem os  200 quilômetros pela  BR-267 entre Nova Alvorada do Sul e Porto XV de Novembro, na  divisa com São Paulo, poderão trafegar a até 100 quilômetros por hora.  Vai ser o primeiro trecho da malha rodoviária federal em Mato Grosso do Sul onde será autorizada a elevação em 25% do  atual limite de velocidade de 80 km/h. 

 Os estudos já estão avançados para a medida ser estendida a alguns trechos da BR-163, onde a estrada oferecer condições de segurança. Continuarão valendo os limites previstos no Código Nacional de Trânsito,  que é de 90 km/h para ônibus e 80 km/h para caminhões.

O Departamento Nacional de  Infraestrutura de Transporte (DNIT) já autorizou a mudança no limite de velocidade no trecho da BR-267 para ser colocado em prática tão logo sejam concluídas as obras em andamento de recapeamento, ampliação da pista de sete para 12 metros de largura e construção de terceira pista em  locais  mais críticos.

O coordenador regional do DNIT, Marcelo Miranda Soares, garante que elevar o limite de velocidade não vai aumentar o risco de acidentes. “Nós sabemos que na prática a maior parte dos motoristas ignora o atual limite, que vai ser mantido onde não houver acostamento nem terceira faixa. O que provoca os acidentes na grande maioria das vezes é a imprudência, o desrespeito à sinalização”, avalia. 

    Para a Polícia Rodoviária Federal (PRF), manter o limite de velocidade em 80 km/h tem servido apenas para “desmoralizar o trabalho  de fiscalização”.  “O motorista passa devagar nos postos e onde há radares medindo a velocidade, e no restante da viagem, vai em alta velocidade”,  admite o inspetor Mário, da Comunicação Social da PRF.

Além de um efetivo reduzido de 400 homens para atuar numa malha viária  de 3 mil quilômetros de estradas federais no Estado, a PRF tem outro obstáculo limitador da fiscalização. Os patrulheiros só podem instalar radares, por  força da legislação, em locais onde um estudo técnico do DNIT  apontar (com base no volume de tráfego, característica e topografia do local)  a necessidade de controle mais rígido da velocidade. Das 10 delegacias da PRF, só três  (Campo Grande, Coxim e parte de Dourados) podem usar o equipamento para punir o excesso de velocidade, já que os estudos das áreas de jurisdição das outras sete delegacias estão emperrados na direção do DNIT, em Brasília. Por conta disso, a fiscalização está restrita a trechos da BR-163 entre Campo Grande e Dourados e Campo Grande e Coxim.

Dados da Polícia Rodoviária Federal revelam que, de janeiro até ontem,  das 26.788 multas emitidas pelos patrulheiros, 4.434 foram por excesso de velocidade. Em 2009, foram 12.135 autuações, bem menos, por exemplo,  que as 42.537 notificações aplicadas apenas na Capital por esta mesma infração.

Leia Também